Deprecated: Function create_function() is deprecated in /home/devadm/public_html/blogs/wp-content/themes/opovotheme-mosaic/includes/widgets/widgets-video.php on line 104
Os hábitos ruins dos empreendedores iniciantes - Varanda Casa Azul

Varanda Casa Azul

Os hábitos ruins dos empreendedores iniciantes

Texto por Renata Rodrigues, head de operações da Casa Azul. Renata cursa Engenharia Elétrica na UFC. Meio nerd. Ama comida e séries água com açúcar e sobre ficção científica. Provavelmente será uma velha cheia de bichos em casa (ou talvez já seja :P)

 

Antes de entrar na Casa Azul minha experiência com o empreendedorismo era por ter participado de programas que incentivem o mesmo na Universidade. Tinha certa experiência, mas ela era coberta de mitos, que um conhecimento inicial e superficial desse universo apresenta. O empreendedorismo de início é ensinado como algo fantástico, de trabalho dinâmico, fazendo produtos que mudem o mundo. Por um lado ele deve ser apresentado dessa forma para incentivar e disseminar sua cultura, que ainda tem muito o que avançar aqui no Brasil, por outro, esse discurso acaba criando modelos de negócios utópicos, e empreendedores que desistem quando se deparam com uma realidade diferente da vendida. Não me entendam mal, podemos fazer negócios sonhadores e que mudem o mundo (eu também quero fazer isso), mas eles devem começar com um toque realista e prático para alcançar esse patamar. Com esse tempo trabalhando na Casa Azul, pude aprender muito sobre a realidade desse universo de startups. Com isso vou apresentar 5 hábitos ruins que vejo que empreendedores cometem ao dar início aos seus primeiros negócios.

  1. Focar na solução

Esse é um dos principais problemas que muitos empreendedores apresentam. Eles se apegam a ideia que criaram e querem que os clientes se adequem a ela. Se imaginam montando toda aquela solução, e quando ela não apresenta mercado, se frustram e logo desistem. O que os empreendedores devem se apegar é a necessidade do seu público, e criar uma proposta única de valor para atingi-la. Se a solução será um aplicativo, se ele terá uma tela inicial de certo tipo, pouco importa, o importante é que a proposta única de valor e a necessidade do cliente sejam supridas.

2. Fazer um produto geral para atingir vários públicos

Muitos empreendedores pensam muito no futuro, e já querem fazer um produto que atinja um grande público, pensando na sustentabilidade a longo prazo do negócio. Isso é perigoso, porque fazer algo que muitos gostem, tira a identidade do negócio, o fazendo ser facilmente descartável. As Startups devem pensar em fazer algo que seu público ame, pois assim se criará um vínculo e uma necessidade com o que você está oferecendo. O imediatismo faz com que muitos empreendedores busquem novos mercados, sem terem produtos fortes o suficiente para isso. A estratégia que uma Startup deve ter em seu início é de retenção e não expansão. Escolha um mercado específico, trabalhe próximo dele, o entenda e faça um produto que atinja suas necessidades. Depois de fidelizar esse mercado você estará pronto para pensar em expandi-lo. Você pode tirar de exemplo o Facebook, que teve como primeiro segmento de cliente os estudantes de Harvard, e hoje é um produto que se expandiu para milhões de usuários.

3. Projetar todo o negócio, sua estrutura e custos para um modelo futuro e estável

É nessa parte que é analisado a viabilidade de seu negócio em termos financeiros, e muitas pessoas projetam uma realidade distante da atual, com custos em estruturas que não serão necessárias por agora. Nesse momento, é preciso ter um olhar prático: Qual serão os recursos necessários para o seu  Mínimo Produto Viável (MVP)?

Deve-se partir desse ponto e avançar com o tempo, projetando o seu crescimento para transformar o negócio em algo sustentável a cada estágio. Como um exemplo, muitas pessoas projetam a necessidade de uma grande plataforma e serviço automatizado no início de seus negócios, sem ter a necessidade da mesma. Muitas Startups de sucesso começaram sem tecnologia, fazendo o operacional com as próprias mãos e planilhas, com o crescimento e a escala foram desenvolvendo suas tecnologias e expandindo o negócio. Pense no seu negócio como um conjunto de etapas e estágios, e analise seus custos e estruturas dentro deles.

4. Não vender seu produto, com o intuito de fazer melhorias até ele estar apto a comercialização

Alguns empreendedores não comercializam logo o seu MVP por sentirem receio de ele não estar preparado para o mercado, ou mesmo vergonha por apresentarem um modelo tão primário, e gostariam de realizar melhorias. Isso talvez seja uma maneira de se enganar, porque seu produto não precisa ter um design avantajado ou altas funcionalidades, ele precisa resolver o problema de seu cliente. E se seu MVP faz isso e mesmo assim as pessoas não estariam dispostas a pagar, talvez seja um indicativo que as pessoas não estariam dispostas a pagar pelo modelo mais elaborado também, e você pode estar despendendo esforço em uma solução sem mercado. Deve se entender que o preço também faz parte do produto, e ele é umas das maiores validações que se pode ter do seu negócio. Atrasar a comercialização do seu produto pode ser o mesmo que atrasar a sua validação e fazer você focar em uma direção errada por mais tempo. Óbvio que também existem suas exceções, como os negócios que abrem gratuitamente com o intuito de acumular usuários, e logo após lançar suas contas premiuns. Deve se analisar caso a caso.

5. Atrair investimentos externos assim que o negócio é iniciado

Um dos principais problemas para o início de um negócio é a falta de dinheiro. Esse problema é resolvido com a aquisição de investimentos. Porém, muitas vezes eles são angariados em estágios prematuros de seu negócio. O que eu quero dizer com isso?

Os investidores esperam crescimento, e, ao contrário do que muitos pensam, o objetivo inicial de uma Startup não é crescer, e sim aprender e alimentar o seu negócio com esses feedbacks. Ter investimentos externos muito cedo, pode forçar o seu empreendimento a crescer, quando seu produto não tem maturidade suficiente para tal, e forçar você a olhar para as métricas de números de usuários, quando você deveria estar olhando para métricas qualitativas do seu produto. O estágio ideal para conseguir investimentos externos é quando você já tem um produto validado para o seu mercado e tem agora o objetivo de crescimento do seu negócio, mesmo objetivo que seu investidor terá.

A realidade para esses 5 hábitos, se formos parar para analisar, seguem três linhas, que são basicamente os passos para quem quer iniciar uma Startup:

  1. Focar nos problemas e na necessidade dos usuários: Delimite quem são seus clientes no início, tenha certeza que você soluciona um problema no qual as pessoas estariam disposta a pagar. Isso fará com que você tem um mercado a explorar.
  2. Foque em um público específico e o retenha: Ao determinar um segmento específico de clientes, conviva com eles, melhore seu produto junto a eles e seus feedbacks, faça um produto que seus clientes irão amar.
  3. Momento de crescimento e investimento: Depois de fincar a qualidade do seu produto, é hora de se certificar da quantificação do seu negócio. É o melhor momento para investimento e aceleração.

E dentro dessas três etapas você pode ter uma visão sonhadora (na verdade deve), mas sempre tenha um pensamento prático e realista sobre os próximos passos. Seguindo essas etapas não é garantia que seu negócio será um sucesso, mas podemos dizer que você saberá rapidamente se é um empreendimento que vale seu esforço ou não. Se não valer, você terá mais tempo para projetar um outro negócio que poderá ser um sucesso. O meio empreendedor é um ambiente de tentativa e erro, então seu principal objetivo é errar rápido para não perder seu principal recurso: o tempo.

Por conta disso, talvez o maior dos mitos no empreendedorismo seja a vanglorização pregada, quando a realidade é: se você quer empreender, certifique-se que você está fazendo algo que você precisa (é da sua natureza), e que o mundo precisa (tem mercado). Pois aí você terá o suficiente para passar pelo caminho de tentativa e erro que terá pela frente.

Para finalizar gostaria de salientar que o que foi escrito não são verdades absolutas, afinal, também estou aprendendo. Mas são realidades que se encaixam para a maioria das Startups, o que quero é que vocês sempre se questionem sobre esses aspectos, para tomar decisões racionais e prever falhas rapidamente, mas o que é mito ou verdade para a sua Startup quem irá dizer é você, que a conhece melhor do que ninguém.