Leituras da Bel

#diadeclarice: Há 39 anos morria escritora Clarice Lispector

clarice-lispector-foto

Vítima de câncer, escritora Clarice Lispector morreu há 39 anos no Rio de Janeiro. Óbito aconteceu no dia 9 de dezembro, um dia antes do aniversário de Clarice. Se estivesse viva, ela completaria 96 anos

Clarice Lispector continua amada e festejada pelo público leitor décadas após a morte. A obra da escritora- composta de contos, romances e crônicas – permanece viva e atual. Nas prateleiras de livrarias ou nos bancos acadêmicos, há pessoas lendo e debatendo o coração clariceano. Nascida na Ucrânia, ela costumava dizer que não pertencia ao país, pois lá nunca pisou. Veio para o Brasil ainda bebê, carregada pelos pais que fugiam dos horrores da guerra.

No Brasil, a escritora residiu em Alagoas, em Recife e no Rio de Janeiro – cidade que se tornou sua maior morada. Amanhã, sexta-feira, 9, são marcados os 39 anos de morte de Clarice Lispector. E caso estivesse viva, completaria 96 anos no dia seguinte, 10 de dezembro.

Nos últimos anos, ganhou fôlego a produção bibliográfica sobre a autora. São teses, dissertações e artigos que tentam compreender a produção textual da escritora. Difícil tarefa ao considerar a densidade e a grande quantidade de livros publicados. Para alguns, Clarice Lispector é clara como água viva. Para outros, permanece obscura. Uma fonte de prazer literário tão enigmática quanto sua expressão.

clarice-lispector

Leia mais
Clarice aos quatro ventos
Todos os contos de Clarice Lispector
A autora mais citada (e confundida) da internet

A crítica internacional – inspirada pelo norte-americano Benjamin Moser – abraçou a obra da autora. Exemplo é o livro Todos os Contos, coletânea que reúne todos os contos de Clarice Lispector e ocupa lugar de destaque nas prateleiras das livrarias há meses. O volume, organizado por Moser, foi primeiro publicado em inglês.

Clarice tem uma escrita cotidiana, versátil e instigadora. E não foi só a crítica estrangeira que fomentou a popularização das obras.

No Brasil, Clarice nunca deixou de ser publicada. Por esforço da academia, das editoras ou dos familiares, ela sempre esteve presente nas bibliotecas e nas livrarias. Ter a autora sempre por perto, certamente, ampliou o alcance do público leitor.

Somado a isso, há uma onda de publicações sobre a escritora desde a extinta rede social Orkut. São frases soltas, pinçadas de romances ou contos, que saltam na timeline. Outras redes – como Facebook e Twitter – também têm uma profusão de citações clariceanas. No fim das contas, o importante é que a autora continue sendo lida pelo maior número possível de pessoas. E que a obra continue ressoando de múltiplas formas entre os leitores.

Recomendado para você