Ancoradouro

Monge relata experiência de ter visitado Hospital com o Santíssimo Sacramento

O Serviço Social do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes teve a iniciativa de convidar um sacerdote para percorrer os corredores da unidade de internação não Covid e setores administrativos, abençoando enfermos e colaboradores do Hospital.

Monge visita Hospital com o Santíssimo Sacramento e emociona pacientes e profissionais da unidade.

O responsável pelo setor de limpeza e higienização do HM, Marcelo Ferreira, acompanhou boa parte do percurso e ficou emocionado. “Eu vi profissionais ajoelhados, vi pacientes emocionados. Foi um momento muito forte, revigora a nossa fé, nos dá ânimo para continuar nessa batalha. Foi lindo viver esse momento”, relata.⠀

Monge falou ao Blog Ancoradouro sobre a experiência marcante desta visita ao Hospital do Coração com a Eucaristia.

Quem também teve as forças renovadas foi a assistente social, Marina Cavalcante, que atua na emergência Covid-19. “Diante do contexto de isolamento, os pacientes se sentem muito sozinhos e hoje tiveram a oportunidade de receber uma benção, mesmo que de longe. Tivemos nossas forças renovadas, tanto pacientes, quanto os profissionais que estão nessa luta. Mas tudo isso vai passar, temos fé. Foi um momento incrível”, lembra.⠀

Dom Marcos foi o Monge Beneditino que atendeu ao pedido do hospital. O religioso relata ao Blog Ancoradouro detalhes da experiência vivida nesta terça-feira, dia 27.

 

“Neste  dia 27 de abril partimos para uma experiência incrível, de levar Jesus sacramentado para abençoar e reconfortar os profissionais de saúde, funcionários e sobretudo os enfermos do hospital do coração de Messejana.

Desejosos  de conforto espiritual, puderam sentir e tocar o Senhor, que primeiro os tocou… E com os corações cheios de gratidão, mesmo diante da dor e do sofrimento, com as preces nos lábios e com os olhos regados de lágrimas, expressaram as suas angústias e dores, louvores e cantos.

A emoção tomou conta do espaço e ao som de canções católicas no violino, todos que ali estavam rezavam, gritavam, se abraçavam, se espalhavam, fotografavam, filmavam, ligavam para parentes e amigos para anunciar a Boa Nova que passava em seu meio e que chegava aos corações cansados e fatigados.Era uma alegria que precisavam comunicar rapidamente.

Gesto profético do monge evidencia o quando as pessoas esperam tais manifestações de fé nos hospitais.

Passeamos com Jesus, não no pórtico do templo de Salomão, mas nos templos vivos dos corpos cansados dos verdadeiros templos de Deus, dos recém nascidos, passando pelos jovem e chegando aos idosos, e os que estavam em fase terminal.

 

Pude administrar em 15 pacientes o sacramento da unção dos enfermos, a pedido dos próprios pacientes que à beira da morte pediam salvação e remissão dos seus pecados.

Com o corpo cansado e dolorido, mas com o coração cheio de alegria e a alma revigorada por fazer àquilo que devemos fazer, como servos inúteis que somos, eu fico imensamente grato a Deus por mais um dia ter apreendido a ser mais humano, tocando a carne sofrida de tantas pessoas desanimadas, mas que ali são o próprio Cristo tocados na carne, na completude da sua paixão, no Cristo humano demais. Gratidão a Deus por nos permitir servi-Lo, servindo aos irmãos”.


📸 Priscila Sousa / Ascom HM⠀

Com informações da Sesa v

Recomendado para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *