Clube da Luta

Georges St. Pierre evitar falar de Spider, mas critica sistema antidoping: ‘é uma trapaça’

896 1
St. Pierre é um dos melhores peso por peso do mundo Foto: UFC/Divulgação

St. Pierre é ex-campeão meio-médio do UFC | Foto: UFC/Divulgação

Uma das maiores estrelas que já lutou no UFC, Georges St. Pierre (GSP), falou sobre o episódio de doping envolvendo Anderson Silva. Além do caso do brasileiro, o ex-campeão meio-médio deixou seu recado sobre o atual sistema antidoping utilizado pelo Ultimate.

“Eu me sinto muito triste por Anderson Silva. Eu não quero falar sobre um indivíduo, quero falar sobre o sistema. O sistema é um grande problema nas artes marciais mistas… É algo que eu acredito que o UFC e os lutadores deveriam confrontar e resolver, porque, se você não resolver isso agora, só vai piorar e piorar”, disse o canadense à agência de notícias “Canadian Press”.

+ Anderson Silva é pego em exame antidoping por uso de anabolizante; Nick Diaz testa positivo para maconha

GSP evitou falar em Anderson, mas deixou claro sua opinião sobre atletas que fazem o uso de substâncias proibidas. Para o canadense, quem entra no cage dopado é um trapaceador. O ex-campeão defende o cancelamento de lutas, quando descoberto casos de doping. Spider lutou no dia 31 de janeiro, quando enfrentou Nick Diaz no UFC 183. O brasileiro testou positivo para Drostanolona no teste pré-luta, realizado no dia 9 de janeiro. O americano foi pego pelo uso de maconha no exame pós-luta.

+ Mais um: Jon Fitch cai em doping com níveis elevados de testosterona

“A luta deveria ter sido cancelada, porque é trapaça, é uma arma biológica que você tem. Se eu lutar com uma faca, e a organização sabe que eu tenho uma faca, eles não deveriam me deixar lutar, pois estou carregando uma arma. Uma droga de melhora de rendimento é a mesma coisa, é uma arma biológica. É uma vantagem que você tem sobre seu oponente com a qual você não deveria ser permitido competir, pois coloca a saúde do competidor em perigo. Nós não estamos jogando golfe, não estamos apostando corrida, estamos lutando. Toda vez que lutamos, colocamos nossas vidas, nosso bem estar em risco”, comentou ele.

O ídolo das artes marciais defende a utilização de comissões independentes para regular os atletas de MMA, assim como existe nas Olimpíadas. Segundo o lutador meio-médio, as organizações que trabalham com eventos de artes marciais mistas teriam interesses econômicos nas próprias atrações. A agência Canadian Press afirma que a Comissão Atlética de Nevada – que realizou o exame em Anderson Silva – recebe 6% da receita da bilheteria das promoções do UFC realizados no estado. Além disso, ganharia uma parte da renda obtida com a transmissão na televisão.

+ Anderson Silva, doping e UFC

“(Nas Olimpíadas) Eles têm exames surpresa e os exames são realizados por uma organização competente e independente (Agência Mundial Antidoping, ou Wada) que não tem nenhum interesse financeiro na promoção (do esporte). Acredito que as comissões atléticas estão fazendo um trabalho muito melhor agora do que no passado, porque fazem exames surpresa, mas elas ainda têm muito espaço para melhora”, esclarece St. Pierre.

Recomendado para você

1 comentário

  • Eymard disse:

    O caráter de um homem, se ver pela sua história, pelo seu comportamento, quando se encontra no ápice de sua carreira, pelo seu olhar e pela sua família. Não acredito nesses exames, que envolvem enormes interesses.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *