Educação

"O papel do cinema é gerar uma memória de nós mesmos"

2058 2

budapeste1Dica de filme: Budapeste – uma obra que fala do amor
“Budapeste”, adaptação do livro homônimo de Chico Buarque, estreia nos cinemas na sexta-feira, 22 de maio. O longa tem Leonardo Medeiros e Giovanna Antonelli no elenco e Walter Carvalho — que foi diretor de fotografia de “Central do Brasil” — na direção. No filme, José Costa (Leonardo Medeiros) é um ghost-writer, escritor especialista em escrever livros para terceiros sob a condição de permanecer anônimo. Na volta de um congresso, Costa é obrigado a fazer uma escala imprevista na cidade de Budapeste, o que desencadeará uma série de eventos envolvendo-o em uma surpreendente história.

Em entrevista a Revista Época (edição de 29/08/08), Walter Salles Júnior afirmou que o papel principal do cinema “é gerar uma memória de nós mesmos”, refletir o retrato de uma sociedade num dado momento. O cinema constitui-se em um dos modos de expressão cultural da sociedade industrial e tecnológica contemporânea. A relação entre cinema e educação, seja no contexto da educação escolar ou da educação informal, é parte da própria história do cinema. Desde os primórdios das produções cinematográficas, produtores e diretores de cinema o consideravam como uma poderosa ferramenta para instrução, educação e reflexão humanas.

A utilização do cinema como veículo e ferramenta de ensino-aprendizagem oportuniza enfocar os aspectos culturais, históricos, literários e políticos, proporcionando uma visão integral do cinema enquanto mídia educativa. A inserção de novas estratégias de desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem é primordial para a inovação pedagógica e a adequação às mudanças sociais com a finalidade de proporcionar uma formação integral aos cidadãos.

Nesse contexto, o cinema se torna uma ferramenta educativa cheia de potencialidades ao constituir-se em um meio de contribuir para a mudança social. Ao ser percebido como uma mídia educacional, o cinema tem a possibilidade de inserir-se na sala de aula de forma promissora e eficaz, abrangendo os diferentes temas.

A educação tem por uma de suas bases a relação entre os seres humanos. O filme fala, sobretudo, de amor, de personagens que se descobrem por meio das palavras, de um mundo novo, de sentimentos que se cruzam. Uma ótima dica para trabalhar em sala de aula! Ah, não esqueça de ler o livro também! Uma literatura imperdível!
budapeste-livro1

Recomendado para você

2 Comentários

  • Saulo disse:

    Já tinha lido há muito tempo esse livro e estou ansioso para ver o filme. Gostei da dica para trabalhar em sala de aula. Não sou professor mas, gostaria que o professor dos meus filhos fizesse isso.

  • Eduardo disse:

    Concordo com o Saulo… realmente usar filmes como proposta pedagógica é uma ferramenta muito eficiente a favor do aprendizado, logo, logo, enviarei para o blog, com outra sugestão de filme, bastante interessante, aguardem!

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − catorze =