Educação

Mortalidade infantil cai, mas ainda é alta

O Brasil reduziu a mortalidade infantil, mas ainda está em um patamar distante do alcançado pelos países desenvolvidos. Pelos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os óbitos de neonatais (precoces e tardias, somados) atingiu, em 2011, 68,3% do total de mortes de crianças com menos de um ano.

Em países desenvolvidos, 90% dos óbitos concentram-se na faixa neonatal precoce, com até seis dias de vida. O neonatal tardia tem até 27 dias após o nascimento. Em 2011, apenas 51,8% dos óbitos infantis registrados foram neonatais precoces. “Os estudos relacionados com a mortalidade infantil mostram que à medida em que o País tem avanços nas questões estruturais relacionados às áreas de saneamento e acesso à saúde, a tendência é dos óbitos infantis se concentrarem na componente neonatal precoce”, apontou o IBGE.

Fonte: Folha de Pernambuco