Educação

UFC e ITA elaboram proposta de convênio que entra em vigor a partir de 2014

Cinco professores do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e 13 representantes do corpo docente do Centro de Tecnologia (CT) da Universidade Federal do Ceará apresentaram propostas bilaterais para o acordo de cooperação que pretende renovar o ensino em Engenharia em cinco universidades brasileiras.

O Diretor do CT, Prof. José de Paula Barros Neto, apresentou aos visitantes informações institucionais sobre a UFC, como avaliação dos programas de pós-graduação pela Capes, índices de produção científica no último ano (2.265 artigos publicados em periódicos) e o levantamento do Scimago Institution Rankings, que colocou a UFC entre as 15 melhores universidades do Brasil.

O acordo de cooperação terá vigência de 2014 a 2017. Ao longo de 2013, acontece a aproximação inicial para identificar áreas de interesse comum e, a partir do ano que vem, os gestores passam a executar o plano de ação. Algumas das ideias surgidas no encontro foi um seminário sobre educação em Engenharia, com participação das duas instituições, e uma visita de professores da UFC ao Instituto. Há também o interesse de intercâmbio de alunos e professores.

O Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa do ITA, Prof. Celso Hirata, disse que o perfil de alunos do Instituto é predominantemente conceitual, enquanto os graduandos da UFC têm experiência em implementar projetos e pesquisas, sendo esta troca favorável. “Atualmente, um terço dos alunos do ITA é de cearenses, será fácil trazê-los para a UFC e também queremos levar estudantes daqui para o Instituto”, anuncia.

Sobre a unidade acadêmica dos cursos de Engenharia, Arquitetura e Design, Barros Neto discorreu sobre a evolução no Ensino, Pesquisa e Extensão nas últimas décadas. Hoje o CT tem cerca de quatro mil alunos e o corpo docente é formado por 200 professores, dos quais 83% são doutores.

Os dirigentes do ITA sondaram também sobre aspectos econômicos do Estado e a aplicação na Indústria dos conhecimentos gerados nas salas de aula e laboratórios. Segundo Hirata, a formação de engenheiros atentos às necessidades deste setor e capazes de criar produtos e métodos aplicáveis à realidade de mercado é um dos pilares na renovação dessas graduações. “Queremos ter um perfil de transferência de impacto de que o Brasil precisa e podemos ter engenheiros motivados a resolver esses desafios”, apontou.

Algumas das dificuldades comuns à UFC e ao ITA, apontadas pelo grupo, é a alta carga horária da grade curricular, a necessidade de aplicação prática do conteúdo e de motivação por parte de alunos. “Estamos compartilhando dos mesmos problemas e vamos resolver juntos”, afirmou Hirata.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Centro de Tecnologia da UFC – fone: 85 3366 9602