Educação

Golpes virtuais crescem durante a pandemia e setor de Educação é um dos mais vulneráveis

Com a internet se tornando, praticamente, o único meio para trabalhar, estudar e obter lazer durante a pandemia, a quantidade de golpes online disparou. Segundo dados divulgados pela Unit 42, unidade de pesquisa e inteligência da Palo Alto Networks, desde o início do ano foram identificados mais de 40.000 sites registrados usando temas relacionados ao coronavírus para direcionar ataques e malwares aos consumidores.

Por conta disso, profissionais e usuários de diversas áreas tiveram que redobrar as práticas de segurança digital, como foi o caso de setor de Educação. Com a adoção do isolamento social, muitas escolas e universidades tiveram que migrar suas aulas presenciais para o formato digital de forma repentina, o que gerou uma grande oportunidade para cibercriminosos entrarem em ação. Diante deste cenário, a NetSecurity, empresa especializada em serviços gerenciados de segurança da informação, lançou em agosto um projeto de conscientização em cibersegurança, voltado para gestores de instituições de ensino público e privado de todo o país.

A iniciativa conta com o apoio dos colaboradores da companhia, que são especialistas em Cibersegurança e dedicam, de maneira voluntária, parte do seu tempo para realizar palestras online e gratuitas para as instituições de ensino inscritas no projeto, visando reduzir os impactos que o setor vem enfrentando desde o início da quarentena. Durante os encontros, que são previamente agendados com as escolas interessadas em participar do projeto, os participantes terão a oportunidade de entender e sanar as principais dúvidas sobre: o atual cenário das ameaças digitais, os tipos de ataques mais utilizados, como phishing e engenharia social, controle parental, cyberbullying, vazamento de dados, gerenciamento de senhas e acessos, entre outros assuntos.

“A falta de conhecimento em Segurança da Informação torna o usuário ainda mais vulnerável para cair em golpes virtuais. Em razão disso, nós da NetSecurity, enquanto empresa especializada em Cibersegurança, decidimos contribuir para a construção de uma sociedade mais segura por meio da disseminação da informação especializada aos pais, alunos e gestores das redes de ensino”, explica Carlos Gajardoni, CEO da NetSecurity.

Com o projeto iniciado em agosto, a NetSecurity pretende atingir cerca de 50 escolas até o final do ano.

As instituições de ensino interessadas em participar devem acessar o link https://bit.ly/2DfqOKr e preencher o formulário para agendar a sua palestra.

 Sobre a NetSecurity

Fundada em 1999, a NetSecurity é uma empresa especializada em Segurança da Informação. A marca atua com Serviços Gerenciados (MSS), Security Operations Center (SOC), Suporte Especializado e na comercialização de produtos dos melhores fabricantes do mercado que possuem foco na proteção de ambientes de TI e ações preventivas contra novas ameaçadas. Com projetos entregues em mais de 15 países, a NetSecurity possui escritórios no Brasil e nos Estados Unidos.

FONTE: Capital Informação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *