Entre Aspas

Fragmento de domingo

large (109)

 

A memória do amor que recebemos é alimento para o amor que entregamos. É lembrete que o coração deve ler todos os dias, antes de pensar em fechar as portas. É o próprio amor, assumindo o lugar de professor e nos ensinando a amar. A memória do amor é remédio contra o amargor; é amortecedor para a dureza da vida. É aquilo que confere valor genuíno a uma lembrança que, sem esse sentimento, seria apenas legalzinha.
O amor que recebi é tão bonito, tão leve e tão simples. Não há barreiras que impeçam, não há morte ou plano espiritual que acabem com o amor. O amor paterno, materno, fraterno, todo tipo, todos os que eu tive e tenho .Amor, nada como o amor…

 

Texto e Imagem: Eduardo Sousa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =