Entre Aspas

[AMANHÃ] III Mostra de Artes Porto Iracema apresenta projetos desenvolvidos em 2015

portoiracemadasartes_mopii

 

Amanhã(9),  partir das 19h, a escola Porto Iracema das Artes inicia a IIIª MOPI – Mostra de Artes do Porto Iracema, que reúne os trabalhos desenvolvidos pelos alunos durante o ano de 2015, nos diversos processos formativos da escola. Serão apresentados 22 projetos desenvolvidos nos cinco Laboratórios de Criação da escola, além de trabalhos realizados no âmbito do programa de Formação Básica (cursos básicos). É um panorama de trabalhos que articulam as diversas linguagens das artes, incluindo espetáculos de teatro e dança, exposições de artes visuais, shows musicais e pitching dos roteiros do Laboratório de Cinema.

PREAMAR

Durante a programação, que inicia em dezembro e segue até janeiro, serão apresentados não só os projetos selecionados pelos Laboratórios de Criação, mas também os resultados dos projetos desenvolvidos no Preamar, programa que objetiva criar condições de intensas experiências estéticas, com vistas a aprofundar os estudos desenvolvidos no Programa de Formação Básica. A proposta do programa é compor equipes de ex-alunos da escola para se engajarem em projetos de criação de vídeos de ficção e documentários, montagens de peças, ensaios e outras práticas, sob a tutoria de profissionais de carreira consolidada.Como o nome do programa sugere, a ideia foi elevar ao nível máximo as possibilidades de formação, criando uma turbulência potente e criativa, assim como as marés cheias do mar aberto, a PREAMAR referida no título do programa.

Confira abaixo toda a programação os projetos, suas datas e horários de apresentação.

Dia 9 (quarta-feira):

20h – Programa Preamar de Artes Cênicas: “De Sucupira a Asa Branca – uma sátira brasileira” – (Sesc Iracema)

SINOPSE: Será uma apresentação do Preamar das Artes Cênicas “Dias de Riso”. O coletivo realizou uma imersão no universo cômico a partir da adaptação das peças “O Bem Amado” e “O Berço do Herói”, de Dias Gomes para chegar na construção do experimento cênico De Sucupira a Asa Branca – uma sátira brasileira. A dramaturgia e direção é de Fernando Lira que contou com uma equipe de 38 profissionais envolvidos entre elenco, cenografia, figurino, iluminação e sonoplastia, na orientação de ex-alunos dos percursos da área de teatro da escola Porto Iracema das Artes.

20h – Laboratório de Dança: Projeto “Abalroadas” (Cena 15)
SINOPSE: Abalroadas são variações de intensidade dos encontros, ações com desejo de causar aproximações em torno do que nos une: a dança e a cidade. A ação final desse projeto propõe guiar o olhar através das nossas danças, as técnicas, as estéticas, os repertórios de gestos vividos, buscando para além do movimento, as pessoalidades que fazem as danças existirem em nossos corpos. Aqui, a cidade são as pessoas, as pessoas que dançam. Pensar a cidade com dança construindo um percurso, rabiscos no espaço-tempo, traços de formas, linhas de forças, afirmando o movimento constante na dança entre o que é singular e ao mesmo tempo coletivo.

FICHA TÉCNICA: Marina Carleial, Rosa Ana Druot de Lima, Anderson Damasceno.

Dia 10 (quinta-feira):

20h – Laboratório de Dança: Projeto Um Lugar para explodir: Uma composição de gestos e ações de um corpo em estado de dinamite. TÍTULO: Diário de Fabricação de Bombas:178°dia (Sesc Iracema)

SINOPSE: 10 de dezembro de 2015. Quinta feira, 178° dia. 23° dia: correr na rua – 2° dia: “é preciso pecar em dobro para o planeta não virar de pernas pro ar” – 1° dia: o corpo, o lugar, os estados disparados pelas relações. Conter ou liberar? – 44° dia: investigação de gestos e ações de corpos em tensão – 10° dia: corpos em tensão – 100° dia: as putas do cabaré do aranha ainda estão com fome – 173° dia: eu não quero virar do avesso – 178° dia: disparar. FICHA TÉCNICA: Direção e Dramaturgia: David Leão, Maria Isabel e Victor Hugo / Orientação: Thembi Rosa / Elenco: Maria Isabel e Victor Hugo / Operação de vídeo, som e luz: David Leão / Produção: Luiz Otávio Queiroz
Dia 11 (sexta-feira):

10h – Programa Preamar de Audiovisual – Exibição dos filmes “Matraca” e “E a gente…Próximo a coisas que nunca viu”, que são documentários realizados pelos alunos do Preamar DocPorto. Apresentação dos filmes e conversa sobre o processo de criação e realização das obras. (Auditório do Porto Iracema das Artes)

SINOPSE: A partir dos livros A Afilhada de Manuel de Oliveira Paiva e A Normalista de Adolfo Caminha, os alunos do Preamar DocPorto desenvolveram dois filmes documentários assumindo como estratégia de abordagem do real o filme dispositivo, bem como a estética híbrida do cinema contemporâneo. Para tais projetos, foram convidados artistas da cidade no intuito de dialogar e investigar vestígios destes textos literários que retratam a Fortaleza do século XIX, ainda presentes ou não, na Fortaleza do século XXI. Professores tutores: Sabina Colares, David Aguiar e Paulo Ribeiro.
Dia 12 (sábado):

20h – Laboratório de Dança: Projeto “Corpo Simultâneo: Imagem Carne Tecnologia-Título: Gif, glitch, bit! (Galpão da Vila-Benfica)

SINOPSE: Tags, links, skypes, youtubes, tvs, glitches, bits, bitches, Felipe Damasceno e William Pereia Monte apresentam uma instalação dançada pelos GIFS. Os GIFS gostam de dançar. Uma rave de camadas e interfaces em um tempo que está antes, depois, aqui, ali, por ali e durante. FICHA TÉCNICA: Usuários/GIF’s Felipe Damasceno e William Pereira Monte / Navegador: Sheila Ribeiro Hub: Caroline Holanda / Links: David da Paz / Mixer: Wladimir Cavalcante
Dia 13 (domingo):

19h – Laboratório de Dança: Projeto “Dança(s) Pra Mim”- TÍTULO: Dance Somebody (Angeu, Bilica e Deco feat. Jorge A) – Teatro Dragão do Mar

SINOPSE: O projeto “Dança(s) pra Mim” se propôs colocar em movimento desejo de dança, planos de composição e a investigação dos diálogos entre universo da dança na mídia (videoclipe e música POP) e a dança contemporânea, promovendo um ambiente de investigação compositiva e do performático, articulando modos de fazer e mover relacionados aos aspectos da sensualidade, desejo e prazer. O projeto foi proposto por Andréa Sales e Angela Souza, contou com a colaboração de Marise Léo e com a tutora do artista baiano Jorge Alencar. FICHA TÉCNICA: Projeto e Direção: Andréa Sales e Angela Souza / Coordenação Geral: Angela Souza /Tutoria: Jorge Alencar / Performance e Criação: Andréa Sales, Angela Souza e Marise Léo / Consultoria de Figurino: Ruth Aragão / Maquiagem: Netinho Nogueira / Pesquisa Musical: Andréa Sales, Angela Souza e Marise Léo / Confecção do banco e biquíni: Zé Filho

Dia 15 (terça-feira):

19h – Laboratório de Artes Visuais: Abertura da Exposição dos projetos “Degenero”, “Feira”, “Corpo Móvel” e “Notas para um Atravessamento Cartográfico”.

SINOPSE: “Degenero”: O projeto investiga tensões entre sexualidade e espiritualidade, através da construção de uma visualidade e de uma mitologia contaminada por eixos como: corpo, gênero, religião e perversão. “Feira”: O projeto consiste em uma investigação artística a partir das atividades da Feira da Rua José Avelino, que ocorre no Centro da cidade de Fortaleza/CE. As artistas pretendem imergir na ambiência particular da Feira em busca de como esta transforma e se apropria temporariamente do espaço urbano. A proposta passa pelo processo de reconhecimento dos dissensos inerentes à cidade e das possibilidades estéticas desses espaços populares e informais, como resistência à homogeneização e esterilização da experiência urbana. Tais aspectos serão colocados em diálogo e conflito por meio do desenvolvimento de intervenções, vídeos e instalações. “Corpo Móvel”: O projeto tem como eixo central de investigação o mobiliário que a artista Sabyne Cavalcanti mantém em casa. A maior parte desse mobiliário é herança da família. São móveis provenientes da casa da mãe, da escola onde a artista estudou durante a infância e mais alguns de antiquários de cidades por onde ela passou. Tais objetos terão seus significados tensionados durante o processo de pesquisa até o limite de suas funções.“Notas um Atravessamento Cartográfico”: O projeto consiste em uma viagem por cinco lugares localizados no Ceará, intitulados: Deserto, Ventura, Solidão, Miragem e Passagem. Por esses caminhos, o artista busca construir uma cartografia dos atravessamentos entre palavras, lugares e pessoas.

Dia 16 (quarta-feira):

20h – Laboratório de Música – Shows com a bandas Murmurando (Aquarelas Cearenses) e Miguel Cordeiro (Monocromático) – Anfiteatro do Dragão do Mar

SINOPSES: Aquarelas Cearenses: Chorinho, gafieira, baião e outros ritmos tradicionais da música brasileira desfilam no repertório autoral do Murmurando, com violão 7 cordas de Samuel Rocha, clarinete de Giltácio Sousa, cavaco de Lauro Viana e flauta de Clayton Gomes. O show também terá participação do percussionista Hoto Jr., naipe de metais e dançarinos de gafieira. O tutor Zé Nogueira, produtor musical e saxofonista, que sugeriu novos caminhos ao grupo, participa dessa grande noite de músicos virtuosos. Integrantes: Samuel Rocha, Giltácio Sousa e Lauro Viana. Monocromático: As referências ao folk, rock e música pop brasileira, em letras que abordam encontros e desencontros amorosos e a condição humana predominam no trabalho autoral do cantor e compositor Miguel Cordeiro, que lançou seu primeiro CD “Que seja”, em 2013.Na tutoria com o produtor musical, compositor e músico Christiaan Oyens foram trabalhadas composições, arranjos, além de outros aspectos, numa perfeita harmonia entre os integrantes Hugo Lage (guitarra), Lucas Ribeiro (baixo) e o baterista PH (bateria). Por sugestão do tutor, um tecladista, Sergio, passa a integrar a banda. O show terá participações da cantora Lida Maria e da violoncelista Eudênia. Integrantes: Miguel Cordeiro, Hugo Lage, Lucas Ribeiro.

Dia 17 (quinta-feira):

19h – Laboratório de Audiovisual – Debate: Os Caminhos do Cinema Latino-Americano com Tanya Valette (coordenadora de Oficinas de Formação do Programa Ibermedia e ex-diretora da Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de los Baños, EICTV-Cuba.

Sinopse: Será abordado o funcionamento do processo de seleção do Fundo Ibero-americano de apoio – Ibermedia, um dos mais importantes programas de estímulo à produção, promoção e distribuição de filmes ibero-americanos. Também falará sobre a EICTV – uma das principais escolas de cinema do mundo – e seu processo seletivo.

20h – Laboratório de Música – Shows com Ananias Góis (Kimera) e a banda Danchá (A Terceira Casa) – Anfitetro do Dragão do Mar

Kimera: Trabalho autoral de música instrumental do contrabaixista Ananias Gois, o projeto “Kimera” foi desenvolvido sob a tutoria do produtor musical, arranjador e músico Mario Adnet, que sugeriu acrescentar ao jazz fusion do grupo mais ênfase nas referências de música brasileira. O resultado é jazz brasileiro de alta voltagem e qualidade em novas composições e arranjos trabalhados no Laboratório de Música. Integrantes: Ananias Gois, João Paulo “Bob” Mesquita e Tito Freitas.

A Terceira Casa: Inspirados nas referências do reggae, dub e psicodelia, os músicos da DanChá encontraram no produtor musical e baixista Liminha o tutor identificado com sua sonoridade. O projeto autoral traz letras assinadas por Danilo Guilherme, vocalista e guitarrista da banda, que se uniu aos integrantes do trio instrumental Chacomdéga, formado por Pepeu (bateria, programação eletrônica, efeitos, técnica), Milton Ferreira (baixo) e Bruno Rafael (guitarra). No palco do Anfiteatro o lounge psicodélico do DanChá terá a participação de seu tutor, o ex-Mutante Liminha. Integrantes: Danilo Guilherme, Julio César Santana (Pepeu) e Milton Ferreira.

Dia 18 (sexta):

9h- PREAMAR de Artes Visuais: Imersões Fotográficas (Auditório do Porto Iracema das Artes)

SINOPSE: O percurso propõe uma experiência em criação fotográfica, tendo a produção de inventários virtuais como estratégia artística. Desse processo criativo surgiram os projetos: Feeling Monster Music, One For All e Tremembé, que emergem de questões como os fluxos instáveis entre registro e invenção; a relação do fotógrafo com as imagens – captura, organização, montagem, desmontagem; o instante efêmero e os vestígios; a partilha de imagens produzidas pelos artistas inventariantes e pelos inventariados etc. Estimula-se o experimento a fim de estimular uma vivência complexa do processo fotográfico em todo o ciclo da produção dos inventários, desde a idealização até a publicização em plataforma on-line.

Dia 19 (sábado):

Manhã e Tarde – Laboratório de Audiovisual: Pitching dos projetos com os produtores Paula Pripas (Filmes de Abril) / Tanya Valette (IberMedia) / Flávio Moraes (OperaHaus) / Daniela Capelato e a presença dos tutores Karim Ainouz, Sérgio Machado e Marcelo Gomes – (Auditório Porto Iracema das Artes)

SINOPSES: “Antônia Quer Falar Inglês”: Antônia é empregada doméstica e precisa fazer bonito num casamento chic. Pâmela, filha de Antônia, é bolsista numa faculdade particular e quer eleger sua chapa para o diretório acadêmico. Rosa, irmã de Antônia, é uma dona de casa evangélica e não compreende seu estranho interesse por uma jovem da igreja. “Mulher da Zona”: O filme mostra o refúgio dos boêmios ávidos por sexo na década de 1940 em Fortaleza. Tereza é a mulher mais requisitada do cabaré e uma espécie de “fada madrinha” do Tereza, um jovem negro e homossexual, manicure das prostitutas. A cumplicidade entre os dois revela mais do que simplesmente aventuras sexuais. “O Dia Ondula Amarelo”: No início do dia 31 de dezembro de 2009, dois jovens acordam em diferentes partes do litoral de Fortaleza. Pilar, no Cais do Porto e Ulisses, na Beira- Mar. Ao fim de 24 horas essas duas vidas se entrelaçam de forma radical, quando, no começo de um novo dia e de um novo ano, Ulisses decide tirar a própria vida no mar e Pilar tenta salvá-lo. “Natan”: Natan é um garoto de 13 anos que vem morar em Fortaleza na casa de seu irmão mais velho, Júnior. Numa fase de intensas descobertas e liberdade jamais vivida, Natan se vê apaixonado por um colega do judô, João Lucas. Já Júnior, recém-graduado, entra em crise com as convenções que a aproximação da vida adulta lhe reserva.

 

JANEIRO

Dia 20 (quarta):

19h – Laboratório de Teatro – Experimento: O Sagrado e o Profano – As vozes de uma cidade – Coletivo Atuantes em Cena (Teatro Dragão do Mar)

SINOPSE: A relação entre o sagrado e o profano na cidade de Juazeiro do Norte é o centro desta pesquisa, que investiga os fenômenos religiosos e suas manifestações sociais. O grupo visa ressignificar os sons produzidos pela cidade, gerando um trabalho corporal do ator por meio dessa sonoridade, que nasce desse aspecto cultural que atrai visitantes do mundo inteiro. Tutora: Mônica Montenegro.
Dia 27 (quarta):

19h – Laboratório de Teatro – Projeto “Os Miseráveis”- Grupo Formosura (Teatro Dragão do Mar)

SINOPSE: Em comemoração aos seus 30 anos de fundação, o Grupo Formosura de Teatro traz ao público sua investigação sobre a técnica do boneco geminado, aliada a uma pesquisa de releitura cênico-dramatúrgica do romance Os Miseráveis, de Victor Hugo, realizada em parceria com a dramaturga Ângela Linhares. A pesquisa parte de duas instâncias: a primeira busca desvelar como o boneco geminado pode promover um treinamento para o ator; a segunda refere-se à manipulação propriamente dita e suas possibilidades visuais. Tutor: Duda Paiva.

 

Dia 30 (sábado):

08h – Curso de Games – Formatura da 1a. Turma do Curso Técnico de Animação Gráfica para Jogos Eletrônicos (Auditório do Porto Iracema das Artes)

SINOPSE: O evento servirá para apresentar os 03 (três) jogos desenvolvidos para a conclusão do curso de Animação Gráfica para Jogos Eletrônicos, tal apresentação será feita de maneira formal a apresentar todo o processo de desenvolvimento, partindo de sua concepção, passando pelo trabalho de análises de mecânicas e indo para a finalização visual de todo o material. Os jogos para apresentação serão: Bio, Agadoizó e Ciranda do Mar.

FEVEREIRO
Dia 03 (quarta):

19h – Laboratório de Teatro – Experimento: Asja Lacis já não me escreve- Grupo Terceiro Corpo (Teatro Dragão do Mar)

SINOPSE: Asja Lacis, colaboradora de Meyerhold e de Eisenstein, próxima do grupo de Maiakóvski, foi amante de Walter Benjamin e por intermédio dela Brecht e Benjamin se conheceram. No início da Segunda Guerra Mundial, ela desapareceu num campo de concentração stalinista. “Asja Lacis já não me escreve”, registra Brecht em seu diário de janeiro de 1939. O Grupo Terceiro Corpo pretende investigar a figura de Asja Lacis, focando sua pesquisa cênico-dramatúrgica no trabalho de ator e na ideia de “solo coletivo”, no qual várias atrizes partilham a mesma personagem em cena. Tutor: Héctor Briones.
Dia 17 (quinta) e 24 (quarta):

19h – Laboratório de Teatro – Espetáculo: Um corpo em final de festa – Inquieta Cia de Teatros (Teatro Dragão do Mar)

SINOPSE: Nesta proposta de investigação e criação, a Inquieta Cia. de Teatros busca pesquisar modos de composição cênica pautados no trabalho coletivo e polifônico de atuação e encenação. “Um corpo em final de festa” apresenta-se como elemento disparador para a construção de treinamentos, performances e dramaturgias, desenvolvidas por atores que encenam, encenadores que atuam. Tutor: Marcelo Evelin.

MARÇO

Dia 02 (quarta):

19h- Espetáculo: Um corpo em final de festa- Inquieta Cia de Teatros (Teatro Dragão do Mar)

SINOPSE: Nesta proposta de investigação e criação, a Inquieta Cia. de Teatros busca pesquisar modos de composição cênica pautados no trabalho coletivo e polifônico de atuação e encenação. “Um corpo em final de festa” apresenta-se como elemento disparador para a construção de treinamentos, performances e dramaturgias, desenvolvidas por atores que encenam, encenadores que atuam. Tutor: Marcelo Evelin.

 

 

Texto: Eduardo Sousa com informações do Porto Iracema das Artes | Imagem: Porto Iracema das Artes

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *