Fisioterapia & Saúde

Cientistas avançam em pesquisa da vacina anti-Aids

Por: UOL

Uma forma de desenvolver uma vacina contra a Aids – doença que ainda não tem cura e afeta cerca de 33 milhões de pessoas em todo o mundo – é “ensinar” o sistema imunológico a reconhecer certas estruturas de proteínas na superfície do vírus HIV e a produzir anticorpos para se combinar a essas estruturas, neutralizando o vírus. A dificuldade, segundo os cientistas, é que, para isso, é preciso a remoção de parte da superfície do HIV, o que faz com que os anticorpos deixem de reconhecer suas estruturas ou de ligar-se a elas. Entretanto, esse problema parece estar começando a ser resolvido por uma equipe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA. Em artigo publicado nesta semana no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores relatam a descoberta de uma forma de extrair uma porção da superfície do HIV que pode ser reconhecida pelos anticorpos – conhecida como epítopo – a partir de estruturas de proteínas especiais desenvolvidas em computador. Os cientistas acreditam que, quando o epítopo é injetado em um animal – e, eventualmente, em um humano – ele pode ser reconhecido pelo sistema imunológico, que, consequentemente, desenvolveria anticorpos para atacar o vírus. Os pesquisadores aplicaram essa técnica em laboratório, usando um epítopo que muda de forma na superfície do HIV. E observaram que os roedores que receberam o protótipo de vacina tiveram uma boa resposta do sistema imunológico, com a produção de anticorpos muito similares ao 2F5, que se liga firmemente ao epítopo do HIV, ajudando a neutralizar o vírus da Aids. “Esse estudo demonstra que a produção de ‘proteínas de esqueleto’ pode ser uma abordagem potencialmente útil no desenvolvimento de vacinas”, destacaram os pesquisadores na publicação. Os especialistas ressaltam que vão continuar a refinar a técnica e aplicá-la no desenvolvimento de vacinas para o HIV/Aids, assim como para outras doenças infecciosas. Fonte: Proceedings of the National Academy of Sciences..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 5 =