Fisioterapia & Saúde

NOTÍCIAS DE BRASÍLIA – ATO MÉDICO

Informamos a todos que ontem, dia 11 de novembro, foi aprovado, em Plenária do Seminário Nacional de Atenção Primária em Saúde e Sobre as relações Público- Privado no Sistema ùnico de Saúde, MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O PROJETO DO ATO MÉDICO. Na ocasião, teve a palavra  Bruno Metre Fernandes ( SINDIFISO/FENAFITO/FENTAS) que apresentou a proposta de Moção, construída em conjunto com  Ricardo Lotif (CREFITO-6/comissão parlamentar do COFFITO)   e com  Naum Mesquita ( ABRATO/FENTAS/CNS), em seguida o  Bruno passou a palavra para a Dra. Maria Helena Machado ( Diretora do Departamento de Gestão e Regulação do Trabalho em Saúde do Ministério da Saúde e Coordenadora da Comissão Intersetorial de Recursos Humanos do Conselho Nacional de Saúde) que expôs o problema político gerado pela divergência do Projeto do Ato Médico (PL 7703 -C/2006) pactuado coletivamente e o que saiu da Câmara dos Deputados. Em sequência, tivemos o processo de votação da nota de repúdio que foi aprovada por aclamação. Lembramos que o evento contou com a participação de 400 inscritos, sendo 64 Conselheiros Nacionais de Saúde, 27 Conselheiros Estaduais de Saúde, 27 Conselheiros Municipais de Saúde das capitais estaduais, 50 Entidades representantes de usuários, 25 entidades de trabalhadores, várias representações nacionais de Gestores municipais, estaduais e federal, representações de entidades nacionais de Ensino e da Academia. Agradecemos especialmente a participação da Ruth Bittencourt ( CFESS), da Graciara Azevedo (CFO), da Fernanda Magano (FENAPSI)  e de todos os partícipes deste processo de manutenção da democracia e do SUS.
Em complementação ao e-mail que noticiou as ações no Senado, notificamos que o Dr.Naum Mesquita também esteve no Senado, atuando especialmente junto aos 600 prefeitos que participavam de audiência; e, ainda, da presença da Daniele do CFP  que ajudou na entrega dos ofícios aos Senadores. Fazemos um notório reconhecimento da atuação do João Filho e demais companheiros da CNTS ). Pedimos escusas por eventual falta de citação de companheiros. 

O ALERTA VERMELHO CONTINUA. ENVIEM E-MAILS PARA TODOS OS SENADORES