Futebol do Povo

Avião da Chapecoense com 81 pessoas sofre acidente na Colômbia; pelo menos cinco pessoas sobreviveram e prefeito de Medellín fala em 25 mortos

3416 1

Atualização às 6h13min

A defesa civil de Medellín, na Colômbia, confirmou que o avião da empresa LAMIA Airlines, de matrícula CP2933, que transportava jogadores, comissão técnica e convidados da Chapecoense para a cidade, além de 21 jornalistas, sofreu um acidente cinco minutos antes do pouso no aeroporto José Maria Córdoba, às 22h15, no horário da Colômbia, 1h15, horário de Brasília já desta terça-feira. O time, sensação da temporada brasileira pela sua boa campanha com poucos recursos financeiros em comparação com os grandes clubes do país, faria o primeiro jogo da final da Copa Sulamericana contra o Atlético de Medellin, na quarta-feira.

As autoridades não conseguem confirmar exatamente quantas pessoas morreram e quantas sobreviveram entre as 81 que estavam no avião, mas pelo menos cinco passageiros sobreviveram, entre eles três jogadores da equipe. De acordo com o prefeito de Medellín, Federico Gutiérrez Zuluaga, também são 25 mortes.

Segundo a Rádio Caracol, primeiro jogador da Chapecoense a ser resgatado com vida foi o lateral-esquerdo Alan Ruschel, que já está no hospital. Atleta estaria com fratura no quadril e um corte na cabeça, porém chegou consciente. Bombeiro que chegou na ambulância com o jogador afirmou que têm muitos sobreviventes no local. Pouco tempo depois, o goleiro Danilo também chegou no local com vida e ligou para esposa para tranquilizar a família.

Uma comissária de bordo e Follmann, goleiro reserva, também resistiram à queda do avião. Bombeiros seguiram no local, mas devido a chuva que caiu na noite anterior, local estava com muita lama. Cerca de 150 pessoas trabalham por lá. Três hospitais próximos estavam recebendo os feridos.

Alguns jogadores da Chapecoense não estavam com a delegação porque não estavam sendo aproveitados pelo técnico Caio Junior: Neném, Demerson, Marcelo Boeck, Andrei, Hyoran, Martinuccio, Nivaldo e Rafael Lima.

No início da madrugada, a aeronave com 72 passageiros ( incluindo 20 jogadores da equipe) e 9 tripulantes perdeu contato com a torre de transmissão do aeroporto e sofreu um acidente na região de Rio Negro. Pouco antes de chegar ao aeroporto, o avião perdeu a comunicação com a torre de controle. De acordo com o aeroporto falhas elétricas foram as causas do acidente. Chovia muito no momento do acidente.

A delegação da Chapecoense saiu do Aeroporto de Guarulhos nesta segunda à tarde. O voo fez escala em Santa Cruz de la Sierra e depois partiu para a Colômbia, onde o time tinha a primeira partida da final contra o Atlético Nacional, nesta quarta-feira. A equipe de reportagem do canal Fox Sports e do site Globoesporte.com também viajavam com o elenco da Chape. Ao todo, 21 jornalistas brasileiros estavam no avião.

De acordo com as autoridades, o local é montanhoso e, devido às condições climáticas, só é possível chegar por via terrestre e mesmo assim com muitas dificuldades. O prefeito de Antioquia, região próxima, pediu ajuda  aos locais que tenham caminhonetes 4×4 para chegar ao terreno do acidente. Os helicópteros tiveram de deixar o local por conta das condições adversas do tempo.

Como já era de se esperar, a CONMEBOL cancelou a partida, que aconteceria na noite desta quarta-feira, no Estádio Atanasio Girardot e suspendeu todas as atividades comandadas pela entidade. Através das redes sociais, Atlético Nacional, Santos, Sport, Flamengo e outras equipes prestavam solidariedade aos clube catarinense.

 

No início da manhã desta terça-feira, o vice-presidente Ivan Tozzo soltou uma nota oficial no facebook do clube, dizendo que só vai se pronunciar quando autoridades tiverem notícias concretas.

(Com Lancenet)