Leituras da Bel

Leituras da Bel Entrevista: Andreia Amaral, editora do selo Rosa dos Tempos

O ano de 1990 trouxe uma inovação para o mercado editorial brasileiro. Rose Marie Muraro e Ruth Escobar criaram o selo Rosa dos Tempos, dedicado a publicação de livros clássicos do movimento feminista nacional e mundial. O tempo passou e as questões pareciam estar resolvidas. Apenas pareciam! Chegou 2018 e percebeu-se que ainda há muito para aprender, conhecer, explicar e estudar sobre o feminismo. No começo do ano, então, o Rosa dos Tempos foi relançado pelo Grupo Editorial Record, sua casa de origem, com uma proposta diferenciada: a gestão compartilhada dos processos produtivos do livro. Desde então, já foram lançados os livros Feminismos em Comum, de Marcia Tiburi, O Mito da Beleza, de Naomi Wolf, Mamãe&Eu&Mamãe, de Maya Angelou, e A Terra das Mulheres, de Charlotte Perkins Gilman. Todos com recepção positiva da crítica e do público. Andreia Amaral, uma das editoras da Rosa dos Tempos, falou ao Leituras da Bel sobre a importância do retorno do selo, o processo de retomada, a nova gestão do Rosa dos Tempos, os processos produtivos e os planos para 2019. Há planos, por exemplo, de colocar livros esgotados de volta no mercado, mas, também, de permanecer olhando para a nova produção sobre feminismo. Leia a entrevista:

Leituras da Bel – Qual a importância de ter os livros sobre feminismo abrigados todos sobre um mesmo selo da editora? A marca ganha mais força?
Andreia Amaral – Ao reunirmos os livros de viés feminista numa mesma marca, que já existia no Grupo, conseguimos fidelizar mais leitores, temos mais facilidade para trabalhar o selo e contratar novos títulos, uma vez que fica claro que estamos apostando nesses livros. A cada título lançado, todo o catálogo da Rosa volta a ser revisitado.

Andreia Amaral (foto: divulgação)

Leituras da Bel – Em qual momento a editora entendeu que o selo precisava voltar?
Andreia Amaral – As editoras do Grupo vinham, naturalmente, acompanhando a onda do mercado e contratando para os seus respectivos selos livros com temática feminista. Já havia uma troca de opiniões e conversas para embasar essas contratações. Fomos, então, amadurecendo a ideia de ter um selo que reunisse esses livros e não tinha como ignorar a grande marca já existente no Grupo. Então, propomos resgatar a Rosa dos Tempos como uma homenagem a uma das grandes feministas do país, Rose Marie Muraro, uma mulher extraordinária, ousada, que já militava corajosamente numa época em que ser feminista rendia muito mais preconceito e estranhamento do que elogios.

Leituras da Bel – Como aconteceu sua formação como editora? Quais conselhos você daria para mulheres que desejam escrever e publicar?
Andreia Amaral – Cada uma de nós tem uma formação. Há jornalista, produtora editorial, economista, enfim, mulheres com experiências em diversas áreas.

Para escrever, a formação é o que menos importa. Na área de não ficção, sem dúvida será necessário um olhar mais minucioso e especializado sobre o tema, é importante poder escrever sobre aquilo que se domina. Mas na área de ficção, basta uma boa história e o domínio da língua, para que se produza um texto criativo, fluente e que desperte atenção do leitor. Hoje em dia, há caminhos alternativos para quem quer publicar (antes da internet, o caminho natural era terminar de escrever e enviar o original para a editora. O autor ficava numa posição mais passiva, aguardando uma resposta; mas hoje, com as plataformas de autopublicação, muita gente consegue angariar leitores e fama antes mesmo de ser contratado por uma editora. Muitas vezes o caminho é inverso, as editoras vão atrás de quem está se sobressaindo na rede).

 

Leituras da Bel – Quando o Rosa dos Tempos foi extinto, se pensava que as questões de machismo e misoginia estavam liquidadas. Hoje, encontramos um cenário diferente – onde o conservadorismo tem se mostrado forte. Qual a importância de reabrir o selo nesse cenário? E quais as dificuldades?
Andreia Amaral – Para qualquer discussão, necessariamente, precisa-se de informação. Muitos estereótipos foram criados em relação ao feminismo, muita gente refuta a ideia sem ao menos ter lido a respeito do que realmente propõe o feminismo. Só será possível mudar a mentalidade das pessoas a partir da leitura, da educação. Vimos buscando textos básicos, de autoras consagradas, para que os leitores mais jovens possam entender mais sobre as diversas ondas do feminismo, a importância de cada uma delas. Ainda há quem acredite que ser feminista é ter raiva do universo masculino, ou que significa o contrário de machismo. Isso em pleno século XXI, com tanta informação disponível. O feminismo defende o poder da mulher sobre si mesmo. Então, todo esclarecimento é essencial, principalmente se conseguirmos falar tanto com os jovens que se interessam pelo tema quanto com os leitores mais velhos, aqueles que nunca se interessaram em ler a respeito ou têm uma visão deturpada do assunto. Nosso papel é selecionar o que consideramos relevante para colaborar nessa formação, tornar disponível o que tanta gente incrível vem escrevendo ao longo dos últimos anos. Muito da liberdade e dos direitos que temos hoje é o resultado de batalhas que feministas travaram, a um grande custo, mas muita gente não se dá conta disso e banaliza a questão.

A maior dificuldade, sem dúvida, é romper as barreiras, é falar para aquele público que não está disposto a compreender o assunto. E que por conta disso diminui a importância das pautas feministas para a sociedade.

 

Leituras da Bel – Quando anda na rua e olha para uma mulher aleatoriamente, você já chegou a pensar que um dos livros do selo Rosa dos Tempos fez a diferença na vida daquela pessoa? Como é a recepção do público?
Andreia Amaral – Essa é uma das partes mais emocionantes do nosso trabalho. Saber que um livro que selecionamos e publicamos pode mudar a vida de alguém. Quando lançamos nosso primeiro título, O feminismo em comum, da Marcia Tiburi, aconteceu uma coisa linda: no lançamento em Recife, depois da palestra da Marcia, para um auditório lotado, muitas mulheres vestiam uma camiseta laranja com uma frase sobre o livro e que foi distribuída no evento. Mesmo algumas horas depois dos autógrafos, ainda via-se no entorno da livraria (na região do Recife Antigo) muitas meninas que ficaram por ali mesmo depois do fim do evento discutindo questões, criando redes entre si. Esta união delas chamou atenção por conta da camiseta, e então ficava mais fácil de identificar que aquela aglomeração era de mulheres que tinham saído do lançamento. Não é de arrepiar?

Durante a caravana que a Marcia fez para lançar o livro as experiências foram incríveis, porque ela abria o microfone para que outras mulheres pudessem falar e compartilhar experiências, sempre em eventos lotados.

E mais recentemente tivemos O mito da beleza, que foi escrito décadas atrás mas que ainda se mostra tão assustadoramente atual. Não há uma mulher que leia esse livro e não fique perplexa com a atualidade do texto. E de como ainda somos reféns de uma imagem de beleza imposta e cobrada de nós socialmente. A experiência de leitura desse livro pode ser libertadora.

Saber que em cada livro publicado há a oportunidade de melhorar a vida de alguém, ou mudar uma visão deturpada que um leitor tinha a respeito do assunto, é o que faz valer a pena lutar pela permanência do selo e de tantas obras que ainda pretendemos publicar.

Leituras da Bel – Você lembra de fazer leituras dos livros lançados pelo selo Rosa dos Tempos no início da década de 1990? Lembra de algum título específico?
Andreia Amaral – Dos livros antigos publicados pela Rosa, talvez o que seja comum a todas nós é O martelo das feiticeiras. Algumas de nós chegaram a trabalhar bem perto da Rose Marie Muraro sem ter, na época, muita ideia de quem ela era e do que representava. Dá para imaginar?

 

Leituras da Bel – Quais os próximos lançamentos do selo? Quais os planos para 2019?
Andreia Amaral – Recebemos muitos projetos bons ao longo de 2018, já como resultado da visibilidade que o selo conseguiu com o seu resgate. Nossa intenção é continuar publicando autoras clássicas, relançar títulos que já foram importantes no catálogo da Rosa na época da Rose Marie Muraro e, claro, estar atentas às autoras contemporâneas, que possam colaborar nesse catálogo de formação.

 

Leituras da Bel – Existem obras brasileiras lançadas por outras editoras e que atualmente estão esgotadas. O Rosa dos Tempos tem interesse por esses materiais? Quais acervos estão sendo investigados por vocês?
Andreia Amaral – Esta ano publicamos O mito da beleza, uma obra que foi publicada no Brasil na década de 1990, por outra editora, e que há muito tempo estava esgotada. Temos outras surpresas nessa linha para o próximo ano. Ao mesmo tempo em que pesquisamos essas obras clássicas, estamos selecionado e lendo o que há de mais contemporâneo, para que o catálogo possa ter a diversidade e representatividade que precisa.

 

Leituras da Bel – Como acontece o processo de curadoria no selo? Quantas vozes são ouvidas? Como o grupo divide as funções?
Andreia Amaral – Somos hoje 6 mulheres formando o Conselho da Rosa dos Tempos, com liberdade para sugerir projetos e avaliar tudo o que chega. A ideia é que seja um selo colaborativo, com todas opinando desde a contratação até as escolhas sobre capa, lançamento e divulgação. Depois do projeto aprovado, cada editora fica responsável por cuidar do processo daquele livro que indicou ou recebeu, mas compartilha suas decisões com as demais. Conversamos muito e praticamos no dia a dia a nossa sororidade. Agora mesmo, para responder a esta entrevista, uma escreveu, as demais olharam e interferiram no que acharam necessário. Porque a ideia não é ter a cara de uma de nós, mas o resultado de escolhas feitas pelo grupo, sem hierarquia e com muito respeito.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *