Plínio Bortolotti

Casa da Câmara e Cadeia de Icó e a Confederação do Equador

866 1
No local, além da cadeia, funcionou o governo do Ceará e o Judiciário

No local, além da cadeia, funcionou o governo do Ceará e o Judiciário

A Casa da Câmara e Cadeia Pública de Icó começou a ser construída no fim do século XVIII – e entrou na história de uma das revoltas anti-Império mais importantes do Brasil: a Confederação do Equador.

O prédio serviu de sede para o governo legalista e lá foram julgados, presos e fuzilados alguns dos revolucionários republicanos.

Bárbara de Alencar e Tristão Gonçalves [seu filho e líder da revolta] ficaram presos a ferros, por três dias, antes de serem enviados a Fortaleza.

Outros cinco, tiveram destino mais cruel: foram fuzilados no pátio da cadeia.

As paredes do prédio, construído com pedras, tem 1,5 metro de largura; para levantar as grades das celas é necessário a força de seis homens; as chaves pesam meio quilo cada uma.

Tristão Gonçalves viria a morrer em combate, em Quixeramobim. Seu corpo ficou exposto como exemplo do que acontecia aos que se revoltavam contra o Império.

Sua mulher passou a usar luto fechado, até a morte, o que lhe valeu o apelido de Ana Triste.

A  Confederação do Equador no Ceará aconteceu durante o ano de 1824 e foi esmagada pelo Império em poucos meses

[Para ler todos os posts sobre o assunto clique abaixo em “Roteiro de férias”.]

Recomendado para você