Plínio Bortolotti

Os liberais e o mundo despedaçado

Reprodução do artigo publicado no O POVO, editoria de Opinião, edição de 9/4/2020

Os liberais e o mundo aos pedaços

Ou nenhum deles teve ainda coragem de expressar discordância ou todos esqueceram o discurso sobre o “Estado mínimo”. Estou falando de uma cepa de economistas liberais com ou sem o prefixo “neo”, que arquivaram o discurso de ontem.

Argumentam eles que alguns dogmas têm de ser deixados para trás, devido à crise do coronavírus, pelo menos por ora: até mesmo a intocável defesa do “equilíbrio” entre receitas e despesas. Ocorre que essa “nova situação” é velha conhecida. Qualquer crise que tivermos de enfrentar – econômica ou de saúde pública –  será agravada pelo apartheid social que separa super-ricos de miseráveis neste País. Esse é o nosso pecado original, e a ninguém é dado o direito de desconhecê-lo.

Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e Planejamento do estado de São Paulo, é um desses convertidos provisórios. Ele acredita, que passado o vendaval, tudo voltará à “normalidade”, tornando a girar os eixos liberais. (Eu conto ou você conta para ele que nada será como antes?)

Falando ao portal de notícias BBC Brasil, Meirelles – que também foi presidente do Banco Central (Lula) e ministro da Fazenda (Temer) – é radical nas suas propostas. Para ele, o governo tem de gastar e, para isso, pode até “imprimir dinheiro”. Ele também defende a emissão de títulos do Tesouro, mesmo com aumento da dívida pública, admitindo que o endividamento chegar a cerca de 90% do PIB (hoje 76%).

Mas, em uma coisa o secretário erra feio. Ele não encontrará mais um ambiente propício às prédicas liberais. Ou alguém que sempre precisou de complementação de renda – e a recebeu agora devido à pandemia – abrirá mão de continuar a recebê-la, aceitando pacificamente o discurso da “meritocracia”? O “autônomo”, que labuta para levar a comida do dia para casa, e o entregador de aplicativo, vão continuar crendo na fantasia de que são “empreendedores”, cujos problemas têm de resolver sozinhos? Não. Assim, um fantasma de outro tipo vai rondar o impossível sonho dos liberais, a quimera de voltar a um mundo despedaçado.

Entrevista completa com Meirelles na BBC Brasil.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezessete =