Política

Segunda colocada em licitação da transposição também é desclassificada

274 2
Obra da transposição está parada desde junho de 2016 (Foto: Fábio Lima/O POVO)

Obra da transposição está parada desde junho de 2016 (Foto: Fábio Lima/O POVO)

Segunda colocada na licitação para retomada das obras de transposição do rio São Francisco, a empresa cearense Marquise foi desclassificada do processo. A ação foi confirmada em nota pelo Ministério da Integração Nacional, após a empresa não atender a critérios técnicos do governo federal.

A desclassificação ocorre dias após consórcio entre as empresas Passarelli (SP), PB Construtora (CE) e Construcap (SP) – primeiro colocado na licitação – ser inabilitado pela Integração Nacional. Após a notícia, o governador Camilo Santana (PT) foi à Brasília para tentar evitar novos atrasos na obra.

Apesar da exclusão das empresas, a pasta afirma que está mantido prazo para assinatura do contrato até o fim de março. “A comissão de licitação já iniciou a análise de documentos da Emsa Construtora, 3ª colocada. E mais: diante da urgência da obra, o Ministério determinou que todos os demais licitantes já apresentem seus documentos em 72 horas”, diz.

Obra urgente

Nova licitação para a transposição teve início em junho de 2016, após a empresa Mendes Júnior, que havia vencido o primeiro certame, declarar incapacidade técnica e financeira para conclusão da obra. O processo diz respeito ao Eixo Norte da obra, em trecho que percorre os municípios de Salgueiro (PE) e Jati (CE).

No início do governo Michel Temer (PMDB), o governador Camilo Santana tentou articular retomada urgente da obra, com dispensa de licitação. O Ministério, no entanto, optou por abrir novo certame, em Regime Diferenciado de Contratação.

Segundo a Integração Nacional, o Eixo Norte está previsto para ser concluído no segundo semestre deste ano, após término das obras para a passagem da água do São Francisco. A expectativa é atender o reservatório Jati, no Ceará, em agosto.

R$ 442 milhões

A obra de Transposição do São Francisco percorre 477 km de extensão e atravessa 390 municípios dos estados do Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba. Considerada a maior obra de segurança hídrica do País, ela irá abastecer aproximadamente 12 milhões de pessoas. Proposta vencedora era de R$ 442 milhões.

Recomendado para você

2 Comentários

  • Hildeberto Aquino disse:

    Deixem de palhaçada! Estão protelando, propositalmente, até a época das eleições quando usarão a obra politiqueiramente, como já observamos. Não precisa incumbir a competente engenharia do Exército, basta que o governo federal deixe em suas mãos a ADMINISTRAÇÃO das obras que contratada com qualquer das empresas concorrentes.
    Usam a transposição como artifício eleitoreiro. O Lula deu início e lavou as mãos; a inepta Dilma prometeu, protelou o que pode com mentiras e agora o Temer dar continuidade ao descaso criminoso. Pior que os ditos integrantes da bancada cearense (senadores e deputados) aviltantemente não se aluem e se impõem condicionando qualquer apoio à conclusão imediata das obras. Notem que tratamos de VIDAS HUMANAS e o Castanhão, nosso maior reservatório ainda não acumula 6% da sua capacidade. E o povo no carnaval, futebol, olimpíadas e outros processos alienantes apenas cala e assente acovardadamente. Pior é que ainda votam nos maus políticos que ai estão. Que arquem com as consequências!

  • Irismaldo Vieira disse:

    Joga o Exército Brasileiro pra terminar essa Obra e teremos um resultado surpreendente, sem propinas e sem enrolação. No EB eu confio

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *