Política

Investigação contra Paulo Guedes nas vésperas de 2º turno é novo absurdo

2693 8

A investigação do Ministério Público contra o economista Paulo Guedes é mais um episódio no qual instituições interferem de modo indevido nos rumos das eleições. A possível gestão fraudulenta é grave, claro. Deve ser apurada. Mas, a notícia surgir a 48 horas da definição do novo presidente da República configura uso de instituição pública contra uma candidatura. A mesmíssima coisa ocorreu quando, a uma semana do primeiro turno, foi revelado teor de depoimento de Antonio Palocci, que havia sido concedido seis meses antes.

Paulo Guedes

O economista Paulo Guedes comanda o núcleo econômico da campanha do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Ora, não era possível ter iniciado antes essa investigação contra Paulo Guedes? Ou esperar a segunda-feira? É uma investigação, não é uma sentença condenatória. Que interfere na eleição não resta dúvida. A criação de fato novo com uso das instituições públicas pode configurar crime eleitoral. A ter sido intencional, chega a ser molecagem.

Atingir a probidade de Paulo Guedes é uma mancha e tanto para a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), que tanto se apega a aspectos morais. O economista se tornou o oráculo econômico do candidato. O “Posto Ipiranga”, como Bolsonaro diz, debochando com coisa séria. É grave e precisará ser respondido. Porém, a forma como isso vem à tona, a oportunidade, são descabidos.

Assim como não tinha cabimento, e eu disse na época, a divulgação do depoimento de Palocci àquela altura. Grave que fosse o depoimento de alguém que conhece tão de dentro as entranhas petistas.

Para além de Paulo Guedes

Independentemente do lado envolvido, as instituições têm limites do que é adequado em suas atuações, quando ameaçam interferir no resultado eleitoral.

A lei prevê mecanismos para resguardar a exploração política do aparato governamental para perseguição política. É por isso, por exemplo, que candidatos não podem ser presos nas semanas que antecedem a votação, salvo em flagrante ou em circunstâncias bem específicas. A prisão é um dano e tanto de imagem. Porém, um processo ou a abertura de investigação também são. Não são métodos corretos e não são aceitáveis. Permitir esse tipo de prática com um candidato abre a porta para se fazer contra qualquer um, como se vê agora.

O respeito ao Estado de Direito é condição da democracia.

Recomendado para você

8 Comentários

  • Augusto disse:

    Perseguição!

    • Celio de Sousa disse:

      Aquiescência de pessoas conscientes eu não vi, apenas imbecilizados de direita o nobre comentaristas fez questão de mostrar a sua incoerência, sua imparcialidade pois sempre concordou com os desmandos da justiça parcial do Moro e cia.
      A imbecilização dos jovens desinformados continua tudo pode contra o Lula

  • Antunes disse:

    Perseguição!

  • Marquim de Crato Ceará disse:

    Não acho que seja perseguição, pois esse cidadão não é de hoje que ele é enrolado em várias transacões financeira isso que está acontecendo é muito mimimi….do reporte pois se fosse alguém do PT estavam todos metendo o pau.

  • Barroso disse:

    Da mas tempo não, as lágrimas são livres, deixem de publicar besteiras sem provo.

  • Verônica Pinheiro disse:

    Pimenta nos olhos do inimigo é refresco. Quando foi com o PT, com a fuleragem cuspida pelo moralismo duvidoso do Sr Moro, serviu para o ódio abraçar o escárnio em forma de um tal de “Memes”. A gandaia deitou e rolou. Agora é com a principal escora do capitão Bolsonaro, o homem que vai ditar a política econômica, o senhor Guedes, que deveria ter uma moral limpa, uma dignidade imaculada. Esculhambação de todos os lados. O eleitor tá doidin nessa hora… …ká ká ká ká ká ká!

  • Francisco disse:

    Parabéns, Érico Firmo.

    É a primeira vez em muito tempo que leio algo ponderado neste Jornal.
    Na verdade, este jornal vem publicando barbaridades após barbaridades, fazendo verdadeira campanha indevida pelos psicopatas da esquerda.

    Parabéns, de novo, ao Jornalista.

    ((((( Bolsonaro 17 )))))

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *