Política

Girão minimiza apoios a Sarto, diz que Wagner é independente e chama Camilo de “militante”

80 19

Senador Eduardo Girão (Foto: Divulgação)

Coordenador da campanha de Capitão Wagner (Pros) à Prefeitura de Fortaleza, o senador Eduardo Girão (Podemos) saiu em defesa do postulante republicano em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 18.

Segundo o parlamentar, os apoios já manifestados por partidos de esquerda a José Sarto (PDT) neste segundo turno têm de ser relativizados, já que as legendas também anunciaram que seriam oposição caso o pedetista vença a disputa.

“Psol, PT e PCdoB declararam apoio, e nós respeitamos. Embora já disseram ontem na coletiva que vão ser oposição. Quer dizer que não acreditam no Sarto?”, questionou.

Sobre declaração da executiva municipal petista de voto no adversário, o senador falou que “os dirigentes do PT não representam o pensamento das pessoas na rua”. E voltou a mencionar a deputada federal Luizianne Lins (PT), terceira colocada no primeiro turno.

“A oligarquia desrespeitou a Luizianne, que merece respeito. Discordo de muitas das ideias dela, mas ela tem idealismo e defende com unhas e dentes”, avaliou.

Questionado sobre eventuais adesões à candidatura do Pros, Girão declarou que “o principal aliado de Wagner não sou eu, não é ninguém que está aqui, é o povo de Fortaleza, que, na última eleição, por pouco, sem apoio no segundo turno de 2016, não ganha a eleição”.

O coordenador traçou então paralelo entre a campanha de 2020 e a de quatro anos atrás, quando Wagner também foi ao segundo turno. “Em 2016 foi a mesma coisa, não teve apoio, mas por muito pouco não virou naquele momento, com apoio do povo e desejo de mudança muito maior hoje”, projetou.

De acordo com ele, “é plenamente possível uma virada histórica, ainda mais agora com os debates, se o candidato Sarto não fugir”.

Sobre a associação entre Wagner e Bolsonaro feita pelo governador Camilo Santana (PT) na última segunda-feira, quando manifestou publicamente apoio ao Sarto, Girão respondeu: “Se tem uma coisa que Capitão Wagner representa como parlamentar é independência, mas, por responsabilidade”, precisa ter um “bom relacionamento” com os governos Estadual e Federal.

“A independência que estou tendo no Senado, Wagner está tendo na Câmara”, continuou o senador, “as votações de Capitão Wagner são de independência ao governo Bolsonaro”.

Já em relação à posição de Camilo e às críticas que o governador tem feito ao candidato de oposição, Girão foi mais duro.

“O governador do Ceará não está obedecendo à liturgia do cargo, não está se prestando ao papel de estadista que ele pinta ser. Mas a máscara está caindo, a verdade está começando a aparecer”, afirmou.

Em seguida, acrescentou: “O governador está atuando como militante na campanha. É muito claro o jogo que o militante governador Camilo Santana está fazendo, nacionalizando a campanha para não olhar os problemas que estão aqui”.

Reiterando o que já havia dito ao O POVO, Girão também destacou importância dos debates neste segundo turno da disputa eleitoral, que se encerra daqui a 12 dias.

“Quero fazer um clamor aos cidadãos de bem de Fortaleza, independente se estão à esquerda ou direita, peçam ao seu candidato que não fuja do debate. Temos informações de bastidores que o poder político e econômico do outro lado está trabalhando para não ter debates. O candidato da situação precisa encarar os debates”, concluiu.

19 Comentários

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *