Clube da Luta

Do Bronx quer explorar preparo físico de Stephens e cravar 3ª vitória seguida no UFC: ‘cansa rápido’

UFC / Divulgação

UFC / Divulgação

Mais uma vez, a chance emplacar a terceira vitória seguida bate a porta de Charles “Do Bronx” Oliveira no UFC. O paulista esteve perto de cravar a trinca de triunfos no evento em duas oportunidades, mas falhou. Nesta sexta-feira, 12, ele enfrenta o top 10 da divisão dos penas, Jeremy Stephens, no The Ultimate Fighter (TUF) Finale, em Las Vegas.

Stephens pode representar um salto significante na carreira de Charles. Faixa-preta de jiu-jitsu, Do Bronx garante que se vencer por nocaute o americano, que é especialista na luta em pé, não será surpresa. Focado, o paulista não quer perder a oportunidade de embalar de vez no Ultimate. Para isso, o brasileiro estudou bastante o jogo de adversário e pretende explorar o ponto fraco do atleta da Alliance MMA: o preparo físico.

O representante da Macaco Gold Team possui 18 vitórias, quatro derrotas e um “no contest” na carreira. Os reveses ocorreram no UFC para atletas tops da divisão: Donald Cerrone e Jim Miller – nos leves – e Frankie Edgar e Cub Swanson – nos penas. Diante de Stephens, Do Bronx tem a chance de apagar o retrospecto negativo contra lutadores bem ranqueados.

Nas vésperas do combate contra Stephens, Charles Oliveira bateu um papo com o Blog Clube da Luta. Veja abaixo a entrevista completa:

Blog Clube da Luta – Charles, mais uma vez você se encontra diante de um adversário com nome no MMA – como o Jeremy Stephens. O que você tem agora para essa luta que o Charles que perdeu para caras duros como Frankie Edgar e Cub Swanson não tinha?

Charles Do Bronx – Acho que estou mais evoluído e preparado para este tipo de combate. Amadureci muito e estou preparado. Até porque quem quer entrar no Top 10, Top 5, qualquer posição no ranking, não pode escolher adversário. Será mais um combate duro, mas tenho condições de ganhar. Vencer um lutador do porte de Stephens é a chance que tenho para estar entre os dez melhores.

+ Claudinha Gadelha deixa aniversário de lado para triunfar mais uma vez no UFC

BCL – Você se garante na luta em pé contra o Stephens?

CB – Me preparei muito bem. Sei o quanto essa luta é importante pra mim. Vai ser uma batalha. Mas confio também na minha mão e acho que posso derrubá-lo. Treinei e afiei muito meu boxe. No chão, estou mais preparado do que nunca.

BCL – O que esperar dessa luta?

CB – Ele é um cara que acredita muito na mão direita, tem um primeiro round agressivo, não chuta muito. Ele vem pra cima e sou um atleta de jiu-jitsu que vem aprimorando a trocação. Tenho de ficar esperto com a mão direita dele e fazer meu jogo. O Stephens cansa rápido, tenho que ficar de olho nisso.

+ Parceria de sucesso? União entre UFC e Reebok é tema da coluna Clube da Luta

BCL – O que você está preparando para o Stephens? Vai colocar para baixo e buscar a finalização? Essa é a estratégia?
Vou impor meu ritmo. Impor meu jogo. Andar para frente como sempre e buscar as brechas. Se ele abrir espaço para a trocação vou dentro. Se conseguir levar ao chão e finalizar, será ótimo também.

BCL – A polêmica envolvendo o Stephens e o Lucas Mineiro, que também representa a Chute Boxe, te motivou de alguma forma?

CB – Não gosto de entrar nesse tipo de polêmica. O que disseram que Stepehens fez não foi legal, mas não é o momento de pensar nisso. O Lucas é excelente garoto e poderia ter feito essa luta e ganhado também. É um irmão que tenho nas lutas.

BCL – Todos sabemos da sua competência na luta de solo. Mas, você evoluiu bastante na trocação. Seria muita surpresa se você nocauteasse o Stephens?

CB – Não, porque estou afiando muito meu boxe. Vou tentar também nocautear.

BCL – A sua envergadura pode ser um diferencial nesse duelo contra o Stephens?

CB – Acredito que sim. Tudo o que tiver de diferencial para usar ao meu favor, vou colocar em prática no octógono. Estou preparado para a guerra e para usar todas as minhas armas.

BCL – Como você ficou depois daquela saída do duelo contra o Nik Lentz? Mexeu muito contigo?

CB – Fiquei chateado, porque vi muitas coisas sendo ditas ao meu respeito. Mas minha família, meus amigos, todos que estiveram do meu lado, sabem o que realmente houve. Que fui até o meu limite para tentar lutar, mas fui vetado pelo médico. Não tenho que provar nada para ninguém, mas fiquei triste com algumas coisas que falaram. Mas isso virou passado e estou focado para vencer o Stephens e fechar o ano invicto.

Recomendado para você