Educação

Nota baixa em planejamento

Do dinheiro que vai para creches e transporte escolar ao déficit de professores, a falta de informação do poder público no Brasil – tema de uma série que jornal O Globo publicou  atinge também a educação. O País não sabe informar quantos professores faltam, em quais regiões e para quais disciplinas. Um dos principais fundos de recurso federal para o setor, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que só em 2010 movimentou cerca de R$ 2 bilhões, repassados a prefeituras para ações como aquisição de ônibus escolares e creches, até hoje não foi incluído no Portal dos Convênios (Siconv), sistema que justamente centraliza os dados de controle de repasses federais via convênios.

Creches – No caso das creches, do programa Proinfância, de 2007, só um terço delas ficou pronto até hoje. A ampliação do número de unidades para as crianças, uma das promessas de campanha da presidente Dilma Rousseff, demora a avançar por conta do acompanhamento deficiente do programa. Um balanço do Ministério da Educação (MEC) de julho deste ano mostra que apenas 328 creches foram concluídas. O índice corresponde a um terço dos 1.021 convênios para creches realizados em 2007 e 2008. Se forem consideradas as creches conveniadas até 2010 (2.349), o total de unidades concluídas não passa de um quinto.

Fonte: O Globo (RJ)