Ancoradouro

Gays] Minoria quer dominar o mundo

A minoria gay está em festa e não é para menos. Depois do reconhecimento do STF às uniões, classificadas, de homoafetivas é a vez da “Comissão de Direitos Humanos (CDH) votar nesta quinta-feira (12) o substitutivo que a senadora Marta Suplicy (PT-SP) fez no PLC 122, projeto que tem como objetivo criminalizar toda opinião filosófica, médica, moral e religiosa contrária à relação sexual entre homens” como informou  site Gospel +.

O novo texto sugere poupar a criminalização ha homofobia em discursos nos  templos religiosos. Mas os homossexuais, pessoas dotadas de um afeto extrasensorial, não gostaram da medida e dizem que a lei foi mutilada. Como se sabe e espera é um grupo que discorda por tudo e de todos. Até entre eles mesmos.

Mas atenção, continua vedada toda e qualquer manifestação, opinião e argumento que não seja capacho da cultura gay em televisão, rádio, jornal, revista, etc. Do contrário o autor será enquadrado como homofóbico e,claro, será penalizado.

Destaquei um artigo que me chamou a atenção da lei:

Art. 8º Impedir o acesso ou recusar atendimento em restaurantes, bares ou locais semelhantes abertos ao público.
ATENÇÃO: Parágrafo único: Incide nas mesmas penas aquele que impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público.

E a pena para quem proceder desta forma é de 3 anos.

Em miúdos: Se o senhor ou a senhora estiver no final de semana com as crianças em algum restaurante e dois homens começarem a se beijar ninguém, mas ninguém mesmo, poderá demonstrar qualquer incômodo. Caso  o senhor ou a senhora esbocem qualquer reação poderão ser acusados pelo par inebriado de afeto de homofóbicos. Resultado, os senhores poderão ser reclusos por até 3 anos.

Convido você a ligar amanhã para o Senado e deixar sua mensagem para os senadores, dizendo que você é contra esta lei. 0800 61 22 11

Recomendado para você

Nenhum comentário

  • patricia disse:

    e se tivesse um homen e uma mulher se beijando alguem se encomodaria…. porque só os gays não podem demostra afeto em publico! tem hetero que se come em locais de familia e niguem diz porra nenhuma… reveja seus consitos!

  • Bosco disse:

    Se a “minoria gay”, boto entre aspas porque os gays são na realidade uma grande maioria de cidadãos simples e de bem, a não ser os que são encubados nas sacristias e seminários, e outros que não se assumem como tal, escondendo-se atrás do biombo da homofobia, do ódio, e da violência, se eles os gays, dominassem o mundo, ao invés dos supersticios institucionalizados dentro das religiões, o mundo seria bem melhor com toda certeza. É só vêr no livro “missa negra” do filósofo inglês de direita John Gray. A religião católica está pervertida, não há mais Deus, apenas o Deus da luta política pelo poder.

    • Vanderlúcio Souza disse:

      Duas coisas de seu comentário Bosco. 1. Pensar que toda pessoa é gay, isso é praxe no discurso homossexual. Quem não é concorda o que se diga é taxado de gay e agora de homofóbico. Premissa inconsistente. 2. Combatem o preconceito mas usam do mesmo quando se referem à Igreja, por exemplo. Quem exige respeito deve dá-lo por primeiro. A Igreja respeita os homossexuais mas não coaduna com a cultura gay. Temos esse direito ou não?

  • Fabiano, Marta e Tobias disse:

    Caros irmãos,

    Pode Deus em sua essência santa e divina, criar, consentir e comungar com o pecado?
    A resposta desta pergunta delimita e conclui todo e qualquer questionamento que se faça com relação a diversos assuntos, de forma particular a este.
    A colocação sobre preconceito é no mínimo infundada, visto que a pessoa que o escreveu ou conhece muito ou não conhece nada sobre o assunto.
    Digo isso pois em nenhum momento foi proferido ofensa alguma contra as “PESSOAS” que tem essa deficiência na sexualidade, em nenhum momento foi proferido um juízo sobre as mesmas enquanto pessoas e filhos de Deus que são.
    Até porque fazer isso seria ir contra o que nos ensina a Santa Igreja Católica em seu Catecismo:
    “Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais inatas. Não são eles que escolhem sua condição homossexual; para a maioria, pois, esta constitui uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Essas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus na sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa da sua condição.”

    Veja que o ensinamento se refere a “PESSOA” com tendências homossexuais e não ao PECADO DO HOMOSSEXUALISMO. Sobre este a Igreja nos ensina em seu Catecismo:
    “A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. A sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que “os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados”. São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados.”

    E a Igreja que é Mãe e Mestra também apresenta um caminho áqueles que desejam se abster deste pecado:
    “As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.”

    Pelo que podemos ver, não se trata de “USAR DEUS PARA JUSTIFICAR O PRECONCEITO, ou mesmo SER PRECONCEITUOSO”.
    Trata-se de aderir ao caminho que Deus escolheu para a nossa santificação e vivência ordenada da sexualidade e todas as áreas do nosso ser.
    Deus em sua criação gerou o homem e a mulher. Constituiu através deles um modelo de família, nos apresentou um caminho perfeito de vivência da sexualidade: crescer e multiplicar. O que estiver fora disso é vão, é falácia de um mundo relativista.
    E o que é pior, muitos embarcam nesta onda relativista e não procuram conhecer e principalmente VIVER a Vontade Deus ou então não entendem que Deus ama o PECADOR e não o PECADO.
    Mas para o mundo de hoje:
    O que é pecado? Será que é tudo que desagrada a Deus ou reduziu-se somente ao que ME desagrada.
    * FICA AQUI ESTE QUESTIONAMENTO.

    Que possamos nós diante disso reafirmar a ação de Deus em nós em todos os aspectos, Ação eterna, única e salvífica, que por nada deve der deturpada pela ânsia de justificação do pecado ou da vivência de um permissivismo hediondo.

    Deus os abençoe!!!

  • Laelson disse:

    Olha, se essa minoria está querendo aparecer e as leis estão a favor deles o melhor remédio é o desprezo. Se vc estiver com sua familia num restaurante e dois bigodudos começarem a se beijar, pegue sua familia pague a conta e vá embora. Se todos agirem dessa forma eles param com essa viadagem rapidinho. Ou então façamos o seguinte já que é para garantir direitos façamos as coisas denominadas Hetero também, restaurante Hétero, Boates Hetero, Lojas Hetero, e se alguem se posicionar contra denuncie-los por Heterofobia.

  • Marcelo disse:

    Laelson,

    Taí uma boa idéia! Até que enfim uma opinião sensata.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete + treze =