Artesanato da Mente

O despertar da consciência é apenas o primeiro passo da jornada

“Despertar é só o primeiro passo. Depois que os olhos se abrem para a nova realidade, vislumbram os incontáveis degraus que conduzem à realização final. Então tem início o custoso progresso, construído pelos sucessivos convites ao desapego, pela constante observação das manifestações da vida, pela eterna vigília dos pensamentos. Cada provação que é vencida constitui um passo a mais na íngreme subida que sucede o despertar. E cada tropeço da sua humanidade se oferece como oportunidade de correção. Na escuridão, uma voz silenciosa aponta o caminho.

Prossiga montanha acima, mas acautele-se para não se julgar superior aos que caminham contigo. Serão inúmeras as batalhas ao longo da senda, todas habilmente elaboradas pelos seus aspectos mais rasteiros, que seguirão lutando para sobreviver. Mergulhe profundamente nos oceanos do desconhecido, ainda que te seduzam as superfícies, pois as pérolas mais preciosas habitam as regiões que poucos se dispõem a explorar. Não negligencie as mensagens das dores, mas não as confunda com a mensagem final, para não se perder no paralisante sofrimento.

As colheitas devem ser celebradas, mas logo é necessária uma nova semeadura. Não cessa nunca o trabalho, e as recompensas pelo dedicado esforço e pelo confiante repouso surgem de forma cada vez mais espontânea. Haverá momentos de solidão oportunos para recordar que a senda da libertação é solitária, embora nunca estejamos sozinhos. Os segredos serão revelados na proporção em que se afrouxarem os laços da personalidade e da separação. E no vazio mais eloquente, o derradeiro encontro será consumado.

Tal qual a pequena flor que se lança em direção ao Sol após romper a semente, o crescimento floresce sem qualquer desejo, sem o menor traço de gratificação pessoal. Pois é da natureza humana tornar à divindade. E os guias, onde estarão neste percurso? Ora, onde sempre estiveram, nas alturas do incorpóreo, para onde progridem os discípulos mais dedicados, que descobriram a vida como um bilhete de passagem para o destino final. Despertamos por aqui apenas para aprendermos a amanhecer no Eterno.”

Felipe Rocha

**********

Essas belas palavras do terapeuta Felipe Rocha, que escreve na página Xamanismo sete raios no Instagram, me fizeram refletir sobre essa busca por elevação humana e espiritual que já venho fazendo há muitos anos.

É muito lúcido da parte dele deixar bastante explícito que o despertar é apenas o começo de uma longa e íngreme jornada rumo às camadas mais elevadas da consciência. Nós temos muita pressa e não conseguimos compreender bem os ciclos da natureza, onde tudo tem começo, meio e fim.

A nossa sociedade está adoecida do jeito que está porque queremos a fina força fazer, fazer, fazer, realizar, realizar e realizar, sem respeitar esses ciclos, sem fazer as pausas necessárias e oportunas para que nos renovemos para os novos ciclos e seus novos desafios para o nosso crescimento.

A gente sempre planta aquilo que colhe, por isso insisto nesse questionamento: “O que estamos semeando?”, ou seja, o que estamos  nutrindo em termos de pensamentos e emoções, e que tipo de alimento estamos colocando dentro do nosso corpo físico? Tudo isso faz parte dessa jornada de ascensão espiritual, está tudo absolutamente conectado.

Se não cuidamos de todas essas esferas, certamente iremos adoecer, mais cedo ou mais tarde. Por isso a precisão e objetividade das palavras do Felipe!

Essa temática é extremamente ampla e meu intuito com esse breve texto é apenas trazer alguns breves questionamentos inspirados nas belas palavras desse texto compartilhado.

Desenvolvi mais essas ideias em um podcast que publiquei no meu canal no mesmo dia da escrita desse texto e convido você a ouvir, pois nele trago diversos pontos que não abordei aqui pra não estender demais o texto. Segue o link abaixo! Sigamos firmes e fortes o nosso eterno caminho de expansão da consciência e aprimoramento pessoal…

 

 

 

 

Recomendado para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *