Artesanato da Mente

Somos todos pecinhas de um imenso quebra-cabeça

0 1

Recentemente, assistindo a uma live do empreendedor Pedro Superti no Instagram, fiquei refletindo bastante sobre uma linda metáfora que ele trouxe e quero compartilhar com vocês. Ele comentava que somos todos como pecinhas de um imenso quebra-cabeça chamado humanidade!

Desde criança sempre amei os quebra-cabeças, ficava às vezes horas montando e desmontando. E veja que interessante! Quanto menos peças ele tem mais fácil e rápido para montá-lo, porém, quando aumentamos o número de peças vai ficando cada vez mais difícil e demorado para montá-lo!

Agora imagine que você tem um quebra-cabeça com quase 8 bilhões de peças. Uau! Você tem ideia do tempo que iria se levar para montá-lo completamente? Foi essa a proposta que o Pedro levantou.

Cada um de nós como seres humanos encarnados viemos para o planeta Terra com uma missão de vida muito clara, sendo esta missão única e insubstituível. E me utilizando da linguagem reencarnacionista, se nesta encarnação não conseguimos dar conta daquilo que viemos para manifestar, é como se repetíssemos de ano e teremos que retornar quantas vezes forem necessárias para que finalmente recordemos nossa missão e assim não mais percamos tempo…

Penso que essa metáfora tem um didatismo gigantesco, por isso quis compartilhar, pela facilidade de ser absorvida e internalizada. Você que está lendo esse texto agora provavelmente já ouviu falar sobre a transição planetária não é mesmo? Ela está acontecendo a todo vapor e a pandemia tem sido como que um catalisador para acelerar esse processo.

Para que quase 8 bilhões de pecinhas estejam montadas cada uma no seu devido lugar isso leva muitos séculos, milênios para ser mais exato. E na linguagem da espiritualidade universalista, quando esse quebra-cabeça estiver completo nós passaremos de um planeta de provas e expiações para um planeta de regeneração, ou saindo da 3D para a 5D. Estamos nesse exato momento num enorme fogo cruzado, porque tem várias pecinhas que já estão no seu devido lugar, montadas bonitinhas, porém, a maioria ainda não está.

Veja só outra ideia profunda! Aprendi com o psicólogo Rossandro Klinjey uma metáfora interessantíssima. Ele sempre diz em suas palestras e vídeos que em torno de 70% da humanidade ainda está dormente, sem ter muita noção de sua missão de vida, algo em torno de 20 a 25% são os despertos, ou seja, os que já descobriram suas missões de vida e estão trabalhando o seu processo de autoaprimoramento e uns 5% ou um pouco mais são os espertos, aquelas pessoas que puxam a humanidade para trás, que mentem, que roubam, que trapaceiam, que matam, que fazem o maior barraco…

Com essa metáfora dá pra você ter uma ideia de que nós temos ainda muito trabalho pela frente não é mesmo? Inclusive tenho dito bastante em todos os lugares que o trabalho é infinito… Se tem uma frase que cada vez é mais mentirosa e sem noção é essa aqui: “Eu não tenho nada pra fazer…”. Ãhh! Como assim? Você tem ideia da asneira que está dizendo? NÃO! Temos muito, muito trabalho pela frente ainda!

Até que a humanidade inteira esteja com cada ser humano entendendo para quê veio a esse mundo, qual seu propósito e missão de vida, não podemos descansar um minuto sequer.

Sabe outra ideia genial dentro da metáfora que eu trouxe? A interdependência! Ou seja, nós dependemos das outras pessoas para n coisas. Por exemplo: eu dependo de toda uma rede de distribuição de alimentos para que possa me alimentar bem. Desde agricultores, pessoas que selecionem os alimentos, que distribuam para os grandes centros, e esses façam o serviço de venda nos mercados e supermercados. Dependo de toda uma indústria têxtil para que tenha roupas para vestir. Dependo de médicos caso fique doente e precise de uma consulta. Dependo de todo um sistema de internet incrível para que possa compartilhar um texto como esse e você possa ler etc. etc. etc.

Essa ideia está relacionada com as conexões entre as pecinhas, uma pecinha conectada se liga no mínimo a centenas de outras pecinhas (lembrando que esse quebra-cabeça tem quase 8 bilhões de peças). Não é bacana essa ideia?

Antes de concluir quero lhe questionar? Você já descobriu a sua missão de vida? Você sabe para quê está nesse planeta, exatamente nesse tempo, vivendo em pleno século XXI? Pois bem! Só há duas possibilidades. Ou você já descobriu e está vivenciando sua missão de vida ou ainda não descobriu e está buscando encontrar essa missão! Não existe uma terceira via! Se você quiser uma terceira via está remando contra a maré da vida…

Inclusive há uma frase famosíssima de autoria desconhecida que diz assim: “Os dois dias mais importantes da sua vida são: o dia em que você nasceu, e o dia em que você descobre o porquê”.

É uma alegria gigantesca descobrir o porquê estamos aqui! Eu já descobri há vários anos que estou aqui para trabalhar com o Ensino, das mais diversas formas que ele se apresenta, dando aulas, escrevendo, gravando vídeos ou podcasts, dando palestras etc. Com um texto como esse estou exercitando meu talento para o ensino e venho genuinamente lhe motivar, lhe questionar a descobrir seus maiores talentos e investir todas as suas forças e energias nisso!

Dessa forma você se tornará uma pecinha conectada, ou desperta como comentei um pouco acima!

Há muito mais que pode ser explorado, mas quis trazer aqui apenas as ideias mais instigantes e reflexivas. O trabalho é infinito e ainda tem bilhões de pecinhas precisando ser montadas e estarem nos seus devidos lugares! Portanto, não percamos tempo. Vamos nos esforçar para que o nosso trabalho inspire outras pessoas e elas possam acender essa luz interior e assim vivam suas missões com alegria e amor, contribuindo para a construção desse novo mundo…

 

Recomendado para você

1 comentário

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *