Futebol do Povo

De “Clássico da Paz” para “Clássico dos Clássicos”: movimento quer nova alcunha para os confrontos entre Ferroviário x Ceará

2790 21

Não é das tarefas mais fáceis mudar o apelido de uma partida de futebol, mas isso não parece incomodar alguns conselheiros do Ferroviário, dispostos a transformar o confronto contra o Ceará em “Clássico dos Clássicos” e não mais em “Clássico da Paz”. A diretoria do Tubarão da Barra já foi convencida e o novo nome já está sendo utilizado nas redes sociais e site oficial do clube. Quanto ao Ceará, o Alvinegro respondeu positivamente também nas redes sociais.

Da década de 30 até o início da década de 70 do século passado, a alcunha de Ceará x Ferroviário era “Clássico das Multidões”, já que ambos levavam maior público aos estádios. Com o crescimento do Fortaleza, que também agregou uma torcida de massa e muito presente nos estádios, como a do Ceará, o “Clássico-Rei” ganhou notoriedade perene.

Na década de 90, já sem uma denominação elogiosa, afinal, Clássico das Multidões não fazia mais sentido, surgiu o Clássico da Paz, como explica Evandro Ferreira Gomes, conselheiro do Tubarão da Barra, historiador do clube e ex-diretor de futebol. “Começou a onda de violência por causa das torcidas organizadas e então quiseram simbolizar a paz por aqui com Ceará x Ferroviário entrando em campo um com a bandeira do outro. E foi o que ocorreu efetivamente”.

A ideia de tentar rebatizar o confronto agora em 2017 partiu de outro conselheiro do Ferroviário, Chateaubriand Arrais Filho. “Clássico da Paz não traduz a grandeza do espetáculo, por mais que seja um nome politicamente corretíssimo. O objetivo não é rivalizar ou diminuir o grandioso Clássico Rei, mas apenas traduzir melhor a grandeza do confronto”.

Evidente que o apelido de um jogo não guarda relação com o desempenho técnico ou tático e também pouco tem influência na presença de público ou promoção do evento, mas entendo como um resgate relevante, especialmente em função do Ferroviário. A tradição do clube é muito bonita, desde a sua fundação, conquistas e ídolos. A importância histórica da instituição é real e é preciso que as novas gerações tenham conhecimento.

O desafio do Ferroviário, entretanto, é muito maior do que renomear o confronto contra o Ceará. Independente de ganhar o Estadual em 2017 – algo que seria inimaginável alguns meses atrás – o clube necessita se reerguer com pilares firmes, em todos os sentidos. Em 2018, além do Campeonato Cearense, o Ferrão estará na Copa do Brasil, na Copa do Nordeste e no Campeonato Brasileiro da Série D. É uma enorme e raríssima oportunidade para um ressurgimento.

Em tempo: foto de confronto entre Ferroviário e Ceará em novembro de 1981 – acervo O POVO

Recomendado para você

21 Comentários

  • Fernando Gondim disse:

    Caro Graziani
    Nada mais justo do que denominar o clássico Ceará x Ferroviário de o Clássico dos Clássicos pois dominaram grande parte da história do nosso campeonato. O resgate da história solidifica o presente e cria bases para o futuro e o FAC tem uma grande oportunidade de renascimento a partir dessa improvável campanha em 2017. Abraço

  • Marcelino disse:

    Embora muitos prefiram se concentrar na evidente fragilidade técnica e tática do time do Fortaleza para explicar a classificação do Ferroviário, o fato é que um time que se dava por acabado – caso do Ferrim – fez o Fortaleza iniciar a disputa da Série C com eliminação em todas as competições que disputou neste ano até aqui. Não é pouca coisa!!!

  • Sabrina disse:

    Gostei. Você escreve maravilhosamente bem. Vamos Ferroviário !!!

  • Adriano Custódio disse:

    Olhando a história do Ferroviário fico abismado quando vejo alguém dizer que os Icasas, Horizontes e Guarani(y)s da vida são a terceira força do futebol cearense. E olha que pouco se fala das participações corais no Campeonato Brasileiro – atual Série A.

    Tem que ser muito ruim da cabeça pra dizer isso.

  • Sérgio Filho disse:

    Ferroviário é e tem a torcida de todo e qualquer torcedor Cearense. Nunca um time como Icasa, Horizonte, Guarany de Sobral serão maiores que o Ferrão.

    Eu, como torcedor fanático do Fortaleza Esporte Clube, e acredito que os Alvinegros também compartilham deste pensamento, torço fervorosamente para ele se reerguer o mais rápido possível.

    Sei que tradição não entra em campo e não ganha jogo, mas se a Série B tem times como Luverdense, Boa Esporte, Oeste e entre outros, um time como o Ferroviário também poderia estar por lá.

    Acredito que o título seja do Ceará, que mesmo não sendo um grande time, ainda é o melhor do estado, mas o ferrão está de parabéns pela campanha que fez.

    • Chico Costa disse:

      Parabéns pela análise, Sérgio Filho. Sou alvinegro desde o útero, mas também torço pra voltar a ver aquele Ferroviário que peitava Ceará e Fortaleza “pau a pau”. Grande Ferrim, de grande valores (Edmar, Facó, Simplício, Babá, Jacinto, etc.) e de grandes amigos torcedores fervorosos (Chiquinho, Lulu, Valdo, Seu Zé Maria, PAraibano, etc.).

  • Márcio Santos disse:

    Graziani, me disseram que Ceará e Ferroviário são seus times favoritos aqui do estado. Você confirma esta frase?

    Só torço para um time e todo mundo sabe qual é. E se eu torcesse para algum clube por aqui falaria numa boa. Torcer não é problema. O problema é distorcer e deixar o time do coração interferir no profissionalismo, como lamentavelmente muita gente faz, pelo mundo todo. E o pior: muitos torcedores querem isso mesmo. Querem torcedores no microfone e não gente séria.
    FG

    • Márcio Santos disse:

      Graziani, eu nunca disse que você não era um profissional sério e nunca lhe acusei de ser torcedor de Ceará, Fortaleza ou Ferroviário.

      Eu apenas perguntei se você era simpatizante de Ceará e Ferroviário, o que é normal e não há problema algum nisso, pois o fato de você ser simpatizante de algum time não lhe faz torcedor do mesmo. Eu, por exemplo, sempre fui, sou e sempre serei torcedor do Ceará Sporting Club, tendo o mesmo como único time. Porém, em todo e qualquer estado que existe uma certa tradição em futebol, eu tenho uma preferência por algum time desse estado.

      No Rio de Janeiro, simpatizo com o Botafogo; em São Paulo, com o Santos; em Minas Gerais, com o Cruzeiro e, no Rio Grande do Sul, com o Internacional. Porém, eu nunca fui Botafoguense, Santista, Cruzeirense ou Colorado, pois não sou torcedor, sou apenas simpatizante e admirador desses clubes.

      Você é São Paulino e sempre soube disso. Mas não é porque você não torce para nenhum time daqui que você não possa ter sua preferência e simpatia por algum clube daqui.

      Foi apenas isso, caro Graziani. Nunca lhe disse que você era picareta ou que não era sério. Peço desculpas se entendeu por esse lado.

      Não tenho simpatia por clube algum do planeta. Futebol ou se torce de verdade ou não.
      E para um time só. Até mais.
      FG

  • Leitao sem amigos disse:

    Dificil mudar esse termo, talvez unico termo cabivel a colocar no futebol cearense seja Patrimonio da serie C para o FEC, acho uma otima homenagem pra um time que tanto participa desse campeonato.

  • Alexandre Martins disse:

    Fernando Graziani, você é um dos que começaram essa nova realidade de uma imprensa imparcial e profissional no Ceará.. Sempre acompanho seu trabalho e percebo a ética em você, o que falta em vários segmentos de nossa imprensa que prefere escolher um clube (Ceara ou Fortaleza) para torcer.. Como um torcedor do Ferroviário, fico feliz, pois nós não queremos “ninguém” ao nosso lado, mas sim, uma imprensa que fale a verdade dos fatos e incentive o nosso futebol por inteiro para que possamos um dia almejar novas conquistas sem diminuir A ou B.. Parabéns!

  • Félix Jr disse:

    Excelente texto. É verdade também que durante muito tempo seus colegas de imprensa tentaram inventar uma “terceira força”, sendo esta times que nunca sequer foram campeões estaduais. A atual fase do Ferroviário deve servir para as novas gerações tomarem conhecimento de sua tradição e, principalmente, de sua grandeza, porque não é qualquer time que amarga o que o Ferroviário amargou e nunca deixou de ter torcida (seus jogos ano passado pela segunda divisão cearense tinham público superiores aos da primeira, exceto no Clássico Rei e nas partidas finais). Que esse renascer das cinzas inspire o time a retomar o trilho do qual saiu um dia devido à sucessivas administrações desastrosas.

    • Felix Ponte disse:

      Concordo com você. O Ferrão saiu dos trilhos por muitos motivos, mas o principal foram as brigas internas e algumas administrações desastrosas. O FAC tem um tiro pra dar em 2018, que ele seha certeiro. E como você disse, um time que passos pelo que passou nestes 19 anos e não fechou suas portas, só sendo grande mesmo. O FAC não tem apoio de Federação, de Prefeitura nem tem mutio espaço na mídia, mas tem uma torcida agerrida que vai sempre estar aqui lado deste time com tanta tradição. O saudoso Stelita Aguirre falava e é verdade. O FAC tem os três Ts que um time precisa ter pra ser considerado grande:Torcida, Títulos e Tradição!!!!

  • Gabriel Souza disse:

    Olha, galera tricolor, que é a mais linda e maravilhosa do mundo, o Jorge Mota tem culpa sim dessa desgraça toda no Leão do Pici, mas tem jogador que ganha 100 mil para não jogar na partida que foi a mais importante contra o ferruim, o Zé Carlos do Gol. Deixa essa por_ _ ir embora. Há oito anos, OUVIRAM? há oito anos temos esses tipos de jogadores fracos, covardes e cheios de desculpas. Ainda vem o mascarado do Pio, que só jogava quando queria, mas pode ter mudado. Diferente do Lima e o do Erandyr, que são guerreiros e jogam com amor às camisas que vestem; principalmente agora, os Mantos Sagrados do Tricolor do Pici. Quanto ao Adenilson, vindo do Guaraju, é muito bom; pelo menos, no Guaraju deixava os companheiros na cara do gol e chuta muito bem; tomara que dê certo no Leão e seja mais um Ídolo Tricolor, pois ele preferiu o Fortaleza Esporte Clube, mesmo na série c, por ser maior e mais querido que um canal séptico lacolá.

  • Pedro disse:

    Sem medo de falar a verdade: o Ferroviário chegou à final, primeiro pq teve sorte na decisão contra o Horizonte; segundo pq pegou um Fortaleza medíocre, que de grande hoje só tem a história, a camisa e sua torcida.Se o Ferroviário tivesse pego o Tiradentes, dificilmente passaria. Hoje foi o ano de sorte do Ferroviário, e o clube recebeu um grande presente do Fortaleza: o direito de participar de uma competição regional (copa do nordeste) e nacionalugares (copa do Brasil). Será uma grande oportunidade para o Ferrão se fortalecer, e isso é muito bom para o futebol cearense. Resta a gestão do clube aproveitar essa oportunidade para colocar o Ferroviário nos trilhos novamente. Mas com toda a sinceridade, o título cearense de 2017 já é do Ceará. O Ferroviário não tem time, hoje, para tirar o título do alvinegro.

  • Leandro Gonçalves disse:

    Um bom termo! “Classico da paz ” é bonito no papel,no discurso…Mas sabemos que ja faz muito tempo que paz,entre 2 torcidas rivais,é tudo que não tem! Para muitos,o futebol é hoje uma valvula de escape pra despejar ódio,agressões,preconceitos…E no caso brasileiro em especifico,enquanto tivermos leis permissivas e brandas a tendência é continuar e aumentar tais casos…

    Sou à favor da mudança da denominacao do clsssico,mesmo sendo óbvio que o classico rei ainda será o maior por muito tempo por aqui…

    Que 2017 seja realmente o inicio de uma nova era do ferroviario nos clássicos…Somente uma sucessão de bons embates fara jus e possibilitara a manutenção de tal alcunha…

  • Antonio dos S. disse:

    Não estou gostando nada desse descanso de 2 dias para o elenco do CSC. Já descansaram demais.

  • Cleto disse:

    O Ferrão está resurgindo…

  • janderson abreu disse:

    “Clássico da paz” so quando o ceará ganha: https://youtu.be/Tn9Hsbt1hF4

  • janderson abreu disse:

    Torcidas de Ceará x Ferroviario brigam até em jogo da Fares Lopes! Não pode ser considerado classico da paz: https://youtu.be/iHKsqjm5n7k

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + onze =