Futebol do Povo

Ceará pede anulação de partida contra o São Paulo no STJD

6027 7

O Ceará decidiu pedir ao STJD a impugnação – anulação – da partida contra o São Paulo, domingo passado, derrota por 1 a 0, gol de Daniel Alves. O clube baseia a peça jurídica no erro pela não marcação do pênalti do goleiro Tiago Volpi no atacante Fellipe Cardoso.

O clube entende que a não marcação da falta não pode ser considerada situação interpretativa, mas sim “um erro claro de avaliação das regras do desporto por parte da arbitragem, o que demandaria obrigatoriamente uma revisão de lance, a qual foi suprimida absolutamente, erro que precisa ser corrigido por esta Justiça Desportiva”.

Abaixo os pedidos do Ceará de acordo com o Superior Tribunal de Justiça Desportiva:

1) Seja recebida a presente Impugnação de Partida para que seja processada nos termos do artigo 84 e seguintes do Código Brasileiro de Justiça Desportiva;

2) Seja citada a entidade de administração do desporto (CBF) na pessoa de seu representante legal para que não promova a homologação resultado da partida entre São Paulo F.C. e Ceará S.C., havida no dia 18 de agosto de 2019;

3) Em sede de liminar, seja reconhecido e concedido o pedido tanto de não homologação do resultado, como na necessária disponibilização de toda comunicação havido entre o árbitro principal e os assistentes de vídeo;

4) No mérito, que seja deferidos in totum os pleitos autorais, com seu consequente provimento e a anulação da partida disputada entre São Paulo F.C. e Ceará S.C., havida no dia 18 de agosto de 2019, nos termos do Art. 84, II do CBJD, para que seja remarcada uma nova disputa, a critério do Departamento de Competições, consoante seja identificado uma data viável para que os clubes possam jogar novamente.

Em tempo: o requerimento do Ceará tem como objetivo – legítimo – fazer mais barulho pelo erro dos árbitros Gilberto Castro Júnior e Rodrigo Nunes de Sá, além de mostrar para a torcida que tem feito o que é possível diante da indignação geral, mas a chance jurídica da ação prosperar são mínimas – para não dizer zero – até porque se trata de um erro de fato e não de direito.

Em tempo 2: no dia 18 de junho deste ano, o STJD determinou que a partida entre Botafogo x Palmeiras não será anulada, requerimento feito pelo time do Rio de Janeiro. A votação terminou com o placar de 9 a 0 contra a anulação do jogo. Segundo Paulo César Salomão Filho, presidente do Tribunal, houve apenas erro de procedimento do VAR. O Botafogo alegava que o lance que decretou a vitória do Palmeiras foi ilegal porque o árbitro Paulo Roberto Alves Junior havia determinado o reinício da partida quando decidiu analisar as imagens do VAR, para depois marcar penalidade em Deyverson.

Recomendado para você

7 Comentários

  • Sou torcedor do Ceará, mais eu acho que não vai dá em nada, só perca de tempo e de dinheiro.

  • Luiz Villela disse:

    Quantos times já foram garfados no BRASIL e agora um timecotem a pretensão de pedir anulação de partida . Até o SAO PAULO já foi prejudicado e muito , até torço pela anulação porque aí o TRICOLOR DO MORUNTRI estará mais encorpado e entrosado e a peia será mais fácil.

  • Gutemberg disse:

    A justificativa de sempre: Questão de interpretação.

  • Fabiano COelho disse:

    Perfeita a atitude, pois serve para que os nossos clubes MARQUEM POSIÇÃO nesses episódios de erros PREMEDITADOS. Porque se não se fizer nada, podem aguardar mais atrocidades, afinal quem CALA CONSENTE.

  • Fabiano COelho disse:

    Desde o início também acho que o que houve foi uma AFRONTA ÁS REGRAS ESCRITAS DO ESPORTE, e não, como alguns falam, ERRO DE FATO. Porque o erro de fato é aquele erro aceitável e passível de interpretações RAZOÁVEIS diferentes, que decididamente não foi o caso do lance do pênalte do jogo São Paulo x Ceará. Creio que até o prejuízo foi até maior, porque o Ceará, quem sabe, poderia até mesmo ter vidado o placar daquela partida, diante do EXCELENTE jogo que fez no Morumbi.

  • João Ximenes disse:

    TENHO quase nada a ver com isso, porque já fui garfado também(LEÃO de Aço), até porque, como bem descreveu o Graziane: “STJD determinou que a partida entre Botafogo x Palmeiras não será anulada. A votação terminou com o placar de 9 a 0 contra a anulação do jogo. Botafogo alegava que o lance que decretou a vitória do Palmeiras foi ilegal porque o árbitro Paulo Roberto Alves Junior havia determinado o reinício da partida quando decidiu analisar as imagens do VAR, para depois marcar penalidade em Deyverson”.
    Aqui, o árbitro simplismente não apitou nada, só “butou” o dedo no ouvido, mostrando que tava ouvindo o VAR(pra caxa prega), e deu continuidade do lance na sequencia, mas…

    É MUITA MORAL se essa impugnação sair VIU !

    Viva o futebol do Nordeste, VIVA.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − oito =