Futebol do Povo

Ceará, Fortaleza e a grandeza para recusar o absurdo: a venda de mando de campo na Série A

5335 1

FOTO: Julio Caesar / O POVO

É um escárnio – e fere princípios éticos e desportivos evidentes – a permissão da Confederação Brasileira de Futebol para que uma equipe – seja ela qual for – venda seu mando de campo, muitas vezes invertendo a lógica de dois turnos em um campeonato de pontos corridos.

O desrespeito esportivo é tão absurdo que contamina a competição. Os clubes têm gigante responsabilidade porque deveriam exigir que a CBF tomasse providências sérias e definitivas para acabar com tal prática, mas não o fazem porque sabem que vão poder se beneficiar em algum momento – vendendo ou tendo o mando invertido – quando deveriam lutar por um torneio justo, equilibrado no campo.

Nesta temporada, CSA, Avaí, Botafogo, Fluminense e Vasco já comercializaram seus jogos com o argumento do topa tudo por dinheiro. O Ceará já havia recusado proposta para levar o jogo diante do Flamengo para Brasília, valor que passaria de R$ 1,5 milhão. Agora foi a vez do Fortaleza ignorar consulta para vender seu confronto contra o Palmeiras por algo em torno de R$ 800 mil, duas propostas que teriam clara vantagem financeira.

Com receitas em 2019 batendo recordes históricos, pagamentos de salários em dia, boas arrecadações fixas com programas de sócios-torcedores, média de público entre as maiores da primeira divisão (Fortaleza é a quinta maior e o Ceará a sexta) e investimentos em estrutura pensando no médio e longo prazo, Alvinegro e Tricolor mostram ao país que estão no bom caminho administrativo.

A construção de instituições fortes, que privilegiam o crescimento planejado e seus torcedores, é fundamental para que não passe na cabeça de qualquer dirigente atual de Ceará e Fortaleza participar de tal absurdo, sob pena de abrir uma crise sem precedentes diante de atitude tão pequena.

É um momento ímpar de valorização do futebol local. Que ele seja perene.

Recomendado para você

1 comentário

  • João Ximenes disse:

    Falo do LEÃO de Aço mas serve para Eles LÁ(os daqui) também. A parte de NÃO VENDER jogos !

    Praquê vender ?
    TORCEDOR TRICOLOR passou anos e anos esperando chegar ao topo, comendo carne de pescoço por 7 anos(Czona), passando COMO UM RAIO pela Bzona(CAMPEÃO), e AGORA que chegou no FILÉ MIGNON do futebol(Azona) vai ficar de fora ?!

    # Só se fosse uma BAITA BRINCADEIRA DE MAL GOSTO, e/ou uma DESCONCIDERAÇÃO total com o TORCEDOR que HOJE é: “5º lugar no ranking de público do Brasileirão, com 30.697 torcedores por jogo. Na última segunda-feira (9), o clube atingiu outra marca relevante: a de número de sócios torcedores. Hoje, o Fortaleza detém precisamente 30.028 torcedores oficiais ativos, que irão contribuir para arrecadação recorde do programa do Leão do Pici em 2019. Em 2018, o Fortaleza divulgou que o programa de sócios rendeu cerca de R$ 1 milhão por mês ao clube, sendo o principal patrocinador na última temporada. Algo em torno de R$ 12 milhões. Esse ano, deverá(2019) vai ser em torno de R$ 18 milhões”.

    EU: A continuar nesse embalo – 30.028 torcedores oficiais ativos -, daqui mais 1, 2 anos, vão ter de construir um TERCEIRO PISO de ARQUIBANCADAS no Castelão.

    CASTELÃO é nosso !!!!!

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *