GIRO LUSÓFONO

Segundo pesquisa, 77,60% dos jovens dizem ter bom domínio do português

Ainda segundo o estudo, 0,57% (158) revelaram: “detesto português e isso tem me atrapalhado a conseguir boas vagas”. Foto: Freepik

De acordo com a pesquisa realizada pelo Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) com o tema “Como você avalia seu domínio de português?”, 77,60% dos jovens entrevistados, com faixa etária de 15 a 26 anos, dizem ter “bons conhecimentos e isso me ajuda na carreira”. O número equivale a 21.685 dos 27.945 respondentes de todo o País que participaram entre 4 e 15 de junho.

Contudo, apesar da autoavaliação ser positiva, a realidade não é bem essa, pelo menos na visão dos recrutadores. Segundo eles, mais de 40% dos candidatos são eliminados logo na primeira etapa das dinâmicas por erros ortográficos. “Essa disparidade se deve, principalmente, a fatores como a autopercepção e autoestima dos jovens, os quais, por navegarem bem nas redes sociais, acreditam fazer bom uso da língua. Todavia, no momento de utilizar a norma culta, se perdem”, avalia Lizandra Bastos, analista de treinamento do Nube.

Na sequência, 20,34% (5.685) disseram: “as regras sempre me atrapalham e acabo cometendo pequenos deslizes” e 1,49% (417) admitiu: “assumo ser meu ponto fraco e não consigo achar forma de resolver isso”. Para quem percebe ser uma dificuldade, a dica é estudar e praticar, começando com os conteúdos mais simples e, após compreendê-los, evoluir para os mais difíceis. “Não existe fórmula mágica, mas incorporar a leitura de livros e revistas à rotina, por exemplo, já fará uma grande diferença”, incentiva a especialista.

Esse foi o caminho utilizado por Yuri Correa Pinho, hoje com 19 anos e consultor de oportunidades do Nube. “Quando tinha 14 anos, fui concorrer a uma vaga de aprendiz e precisei fazer uma redação de conhecimentos gerais. Ao final, o gestor me chamou e me deu como feedback a quantidade de falhas gramaticais”, conta. Sem saber como se aperfeiçoar, o jovem conversou com sua mãe e professora, as quais o incentivaram a começar a ler. “Iniciei com a saga do “Harry Potter” e me apaixonei. Assim, peguei gosto pela coisa. Tinha muitos problemas com acentuação e pontuação e vi o quanto melhorei”, enfatiza. Desde então, cinco anos se passaram e, hoje, o estudante de Publicidade e Propaganda enxerga o quanto sua escrita progrediu. “Para entrar na empresa, fiz um ditado de 30 palavras e me equivoquei em apenas duas. A margem era de até sete desacertos”, conta feliz por ter se desenvolvido.

Ainda de acordo com o levantamento, 0,57% (158) revelaram: “detesto português e isso tem me atrapalhado a conseguir boas vagas”. Segundo Lizandra, há uma saída para mudar esse pensamento. “É preciso identificar quais fatores estão provocando essa percepção e repulsa. Se realmente for uma defasagem, as soluções virão por meio de formas diferentes de estudar e muito trabalho pessoal, para reverter esse quadro”, enfatiza.

Se comunicar é uma necessidade humana e, nos espaços profissionais, parte da nossa credibilidade é construída também pela forma como abordamos os diversos temas cotidianos e nos fazemos entender. “Portanto, evite gírias e palavrões em sua rotina e lembre-se: quanto mais corretamente usar o idioma, mais fácil e natural isso se tornará”, aconselha a analista.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.