Plínio Bortolotti

Os senhores das más notícias

Reprodução da coluna “Menu Político”, caderno “People”, edição de 31/5/2015 do O POVO.

CarlusOs senhores das más notícias
Plínio Bortolotti

Gay Talese, um dos papas do “jornalismo literário” americano, no livro Fama e anonimato (Fame and obscurity, no original), traça o perfil de uma plêiade de anônimos e famosos, típicos de Nova York. Um dos “contos de não ficção”, como os anuncia a orelha do livro, é “Sr. Má Notícia”, no qual Talese perfila Alden Whitman, que era o redator dos obituários do jornal The New York Times.

(Se o leitor não sabe, os grande jornais e agências de notícias costumam manter um arquivo com a biografia atualizada de pessoas que estão próximas – ou nem tanto, dependendo do caso – de prestar contas conta com o Todo Poderoso, de modo a ter o material pronto quando o sujeito “passar dessa para a melhor”, ou pior.)

Quando Talese, que também trabalhava no jornal, publicou a primeira edição do livro (1960), o NYT tinha dois mil obituários preparados com antecedência, e o responsável por mantê-los atualizados era Whtiman, um sujeito que gostava do que fazia, dedicando-se com afinco ao mister por “puro prazer”.

“(Alden) confessa que, depois de escrever um belo obituário com a pessoa ainda viva, seu orgulho de redator é tão grande, que mal consegue esperar que a pessoa caia morta para poder ver sua obra-prima impressa”, escreve Talese.

Lembrei-me desse texto a propósito da participação do jornalista Carlos Castilho na Entrevista Aberta, no Espaço O POVO de Cultura & Arte, ocorrida este mês. Castilho falou sobre a “Síndrome da notícia ruim”, que acomete a imprensa brasileira, título de um artigo publicado por ele no Observatório da Imprensa.

Devido à “avalancha” de informações econômicas pessimistas e à rotina de notícias sobres crimes, Castilho alerta:

“O que se nota atualmente é que uma parcela considerável do público começa a descrer do que a imprensa publica por associar as notícias ruins a uma estratégia política e ideológica. A outra parte da clientela de jornais, revistas, telejornais e redes sociais vincula-se a esses veículos não por sua missão informativa, mas porque oferecem abrigo e conforto para posicionamentos ideológicos. Ambos os casos deveriam preocupar os executivos da indústria jornalística porque eles não garantem a sustentabilidade futura das empresas que dirigem”.

É claro que não se trata de olhar o mundo “com lentes cor-de-rosa”, como adverte o próprio Castilho, mas de lembrar que a realidade é mais ampla, mais diversificada e mais complexa, nela existindo, por óbvio, coisas boas e más – e, entre os dois extremos, uma gradação infinita. Portanto, os meios de comunicação deveriam ter a preocupação em equilibrar um pouco mais as coisas, libertando-se da simplificação, que transforma tudo em uma luta do bem contra o mal.

Mas o que tem a ver o trecho do livro de Talese, citado acima, com a síndrome brasileira? É que, veja você, caro leitor, vivemos em uma época em em que algumas publicações e colunistas levam a obsessão pela notícia ruim (em relação a determinados temas) a tal limite, que a verdade passou a ser mero detalhe; isto é, eles escrevem uma peça de ficção ou despejam os seus preconceitos no papel impresso, no écran dos computadores, ou os lançam nas ondas do rádio ou da TV e, como Alden – que torcia pela morte de seus personagens para ver impressa a sua “obra-prima” -, esses “jornalistas” ficam esperando que a realidade autentique seus desejos. Se isso não acontecer, pior para a realidade.

NOTAS

No mundo
Apesar de suas peculiaridades, a “síndrome da notícia ruim” não é exclusividade brasileira. Pesquisa do Departamento da Ciência da UFMG analisou 69.907 manchetes de quatro veículos online, em 2014 – The New York Times, BBC, Reuters e Daily Mail. Foi constatado que cerca de 70% das notícias diárias estão relacionadas a fatos que geram sentimentos negativos, como catástrofes, doenças, crimes e crises. Veja aqui.

Corrigindo 1
No artigo da semana passada, cravei que os bancos ficariam fora do ajuste fiscal (entreguei o texto antes do anúncio oficial), mas eles levaram uma beliscada. A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) passou de 15% para 20%. Porém, nada muda na essência do que escrevi, mesmo porque – prepare-se – os clientes serão chamados a pagar a conta.

Corrigindo 2
Do publicitário Ricardo Alcântara recebi mensagem a respeito da frase que citei de Bertolt Brecht, como “Melhor do que roubar um banco é fundar um”. Conhecedor da obra do dramaturgo e poeta alemão, Ricardo corrigiu, lembrando que o dito está em um dos poemas de Brecht: “Qual crime é maior:/ fundar um banco/ ou assaltar um banco?”

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *