Plínio Bortolotti

O jornalismo em sua essência

278 14

Reprodução do artigo publicado na editoria de Opinião do O POVO, edição de 13/6/2019.

O jornalismo em sua essência

Depois da divulgação das mensagens trocadas pelo então juiz Sérgio Moro e procuradores de Curitiba, pelo aplicativo Telegram, surgiu um debate sobre a suposta ilegalidade que teria sido cometida pelo portal de notícias The Intercept Brasil. Mistura-se, de forma proposital ou não, duas coisas diferentes: a coleta do material e a publicação das mensagens.

Se os textos, áudios e vídeos foram obtidos de forma ilegal, somente uma investigação poderá determinar. Pode-se imaginar, inferir, supor e até acreditar que os dados foram sacados ilegalmente mas, afirmar com certeza, ainda não.

Quanto à publicação das mensagens pelo Intercept, não existe ofensa a nenhuma lei, ainda que os dados tenham sido colhidos por meios ilegais, pois trata-se do direito constitucional do exercício da liberdade de imprensa. Da mesma forma, o segredo de fonte, o direito de preservar a identificação de quem repassa informações ou documentos a jornalistas, também é garantido pela Constituição brasileira, no seu artigo 5º, inciso XIV: “(É) assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional”. Assim, é absolutamente seguro afirmar que o Intercept não ofendeu nenhuma lei ao publicar a reportagem e nem ao classificar a sua fonte como “anônima”, recusando-se a acrescentar qualquer detalhe que pudesse levar à sua identificação.

Além desse argumento da “ilegalidade” levanta-se contra o jornalista americano Glenn Greenwald, editor do Intercept, a acusação de ser ele “estrangeiro”; alguns propondo a sua expulsão do País. Greenwald também é atacado por sua orientação sexual, com o “agravante” de ser casado com David Miranda, deputado federal do “esquerdista” Psol-RJ.

Mas o fato, é que nenhum dos envolvidos nas conversas comprometedoras desmentiu qualquer uma das informações publicadas. E é aí que está a essência do jornalismo: expor a verdade. Principalmente aquelas que os poderosos querem esconder.

Recomendado para você

14 Comentários

  • Alexandre disse:

    “Até tu Plinius?!” Plinio, Plinio, esta sua “sagacidade” é impagável!!! Leio seus artigos e vejo que piadistas como Ari Toledo não teriam vez!!!! Querido se informe melhor ja existente notícias de adulterações das supostas conversas interceptadas (entendeu o trocadilho)! O engraçado é que a turmiticha vermelha alega que delação não vale nada porque é criminoso delatando “santinhos do dia” (lembra-se como este termo era usado no início dos programas policiais) agora sites pouco confiáveis divulgando supostas conversas obtidas criminosamente são válidas e teriam “respaldo” na CF/88, né Plinhão?! CUIDADO, Tirulipa, Plinio que tirar seu emprego!!!!

  • Alexandre disse:

    Tentei, mas quando cheguei já foram me dizendo que a vaga já tinha dono ….

  • Alexandre disse:

    , Plinho vc é o cara, muito sagaz, um verdadeiro Sherlock do Jornalismo!!!! Brilhante !!!! Me divirto com vc!!! Isto dá pistas de quem realmente ocupou a vaga no estabelecimento circense!!! Estou aguardando seus próximos artigos!!!!

  • carlos disse:

    O Alexandre ou queima graxa ou é alienado, vai se informar ou vai para o mobral pra se alfabetizar, a conversa entre membros da farsa jato é psicografada, agora não jeito o que você é original.

  • Alexandre disse:

    Carlos, com este nível de comentários vc consegue demonstrar o quão irrelevante vc é!

    • Plinio Bortolotti disse:

      Se um leitor tão qualificado como você leu e preocupou-se em comentar significa que não é irrelevante. O que é irrelevante simplesmente relevamos, não é mesmo? Portanto, agradeço sua leitura e a sua gentil observação.

  • Alexandre disse:

    Vc gosta de uma “treta”, não?! Em vez de apaziguar derrama mais gasolina, o que se poderia, isto não me surpreende!!!

    • Plinio Bortolotti disse:

      Não gosto nem animo “tretas”. Prefiro um debate bem fundamentado. Entretanto, me dou o direito de responder de forma que julgo mais adequada a quem procura esse caminho, porém, sem agressões ou xingamentos -.

  • Alexandre disse:

    Não estava falando com vc, mas sim respondendo a um de seus leitores que optou por xingamentos, o que, segundo vc, como grande “democrata” que é sei que abomina, mas neste caso vc resolveu e até gostou de tomar as dores! Parabéns, outra coisa não se pode esperar de um democrata senão uma postura altamente republicana!

    • Plinio Bortolotti disse:

      Alexandre, vá desculpando, não observei que você respondia a um leitor. Normalmente não publico agressões e não sabia que a expressão usada representava xingamento. Quanto à sua outra resposta, peço que copie es trechos mais relevantes do artigo que você cita, pois estou evitando publicar links nas respostas. Agradeço.

  • Alexandre disse:

    Plinio, aceito sim suas desculpas, pois acredito que são sinceras! O bom debate não de opniões divergências – que até podem ser recheada com certo grau de sarcasmo, mas sempre se mantendo o respeito e a urbanidade – e não apenas com elogios! Admiro seu trabalho, apesar de na grande maioria das vezes não concordar com o seu posicionamento!!! Mas, vamos enfrentar! Por fim, só para registrar, penso sim que -muito embora não conheça este termo – que “queima graxa”seja um xingamento típico de quem não tem argumentos !!! Abraços e vamos enfrente!!!!

  • Alexandre disse:

    Ok, vamos enfrente!!!

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =