Fora da Ordem

Blackout? De apagamento, vidas negras entendem bem

Artista Celos pinta mural no centro de Los Angeles em protesto contra a morte de George Floyd, no dia 30 de maio (Apu Gomes / AFP)

Artistas mundo afora ajudaram a promover ontem a #BlackOutTuesday (“terça-feira do apagão”, em tradução livre), campanha que chegava às redes sociais acompanhada de uma imagem completamente preta com a intenção de apoiar o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). O termo #TheShowMustBePaused (“o show deve ser pausado”) também ganhou notoriedade.

O protesto online teve dois estopins que já haviam tomado às ruas, principalmente nos Estados Unidos, país que sempre teve de conviver com as profundas cicatrizes do racismo e suas reverberações.

A motivação global foi a morte do preto George Floyd, asfixiado pelo policial branco Derek Chauvin, em Minneapolis. A CNN e a NBC chegaram a veicular que a “joelhada no pescoço” é imobilização comum, usada pelo menos 428 vezes, segundo os próprios registros policiais, desde 2012. No Brasil, tivemos como gatilho a morte do pequeno João Pedro, assassinado durante – surpresa – operação policial no Rio de Janeiro.

Em Pequeno Manual Antirracista, Djamila Ribeiro explica racismo estrutural e como combatê-lo

Impulsionada pela indústria da música, a campanha ganhou ainda mais aderência com a participação de empresas gigantes como Apple e Spotify, além de artistas como Elton John, Mick Jagger, inúmeras outras estrelas. A lista é grande. Por outro lado, teve quem reclamasse. O cantor Lil Nas X questionou: “Isso não está nos ajudando. Quem diabos pensou nisso?”. Elza Soares declarou: “Eu quero é luz, quero foco em nós, no povo preto desse país!”

Não faltou post nas redes sociais argumentando que a tal da tela preta não fosse usada com a hashtag #BlackLivesMatter para não atrapalhar a busca por conteúdos realmente úteis e positivamente impactantes para a causa.

Por que uma tela preta representa em algum nível o movimento? Por que a escolha de “apagar” a postagem ao invés de publicar conteúdo produzido por artistas, estudiosos e outros profissionais negros? Essas são algumas perguntas que ficaram na minha cabeça durante o dia de ontem. Não são questionamentos para deslegitimar, mas para entender.

Em Olhos D’água, Conceição Evaristo expõe um Brasil que não pode ser invisibilizado

Honestamente, não compreendi que consciência racial há em se esconder por trás de uma tela preta. Entrar no zeitgeist não deveria ajudar a diminuir a culpa de não-negros por fazer parte de um sistema social de manutenção de privilégios que é naturalmente segregador.

Eu só consigo me perguntar: quantos continuarão sendo antirracistas após a hashtag? Quantos irão escolher ser atendidos por um profissional negro? Quantos não irão questionar a qualificação de um preto ou seu mérito por ocupar um cargo de poder? Quantos autores negros serão lidos nas escolas? São respostas que não tenho.

É sintomática a escolha da tela preta acompanhada da hashtag do “apagão”. Apagamento das minorias é protocolar e é projeto de quem interessa segregar. A história da humanidade está fundamentada nisso. De apagamento, as vidas negras entendem bem. Esconder-se atrás de um quadrado preto pode ser perigoso, penso. Preto é para ser visto.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *